Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

A exposição da pintora portuguesa Paula Rego no Museu de l’Orangerie, em Paris, recebeu cerca de 2 350 pessoas por dia desde a abertura, em outubro, até ao encerramento, no início de janeiro, disse hoje a diretora da instituição.

“A boa surpresa é que não só a adesão é boa – mais de 183 mil pessoas passaram pela exposição -, mas acima de tudo é a receção da crítica e da imprensa, que tem sido excelente. Podemos ficar muito satisfeitos com o acolhimento que esta artista, um pouco desconhecida em França, teve e também no passa-palavra entre o público que veio à exposição”, afirmou a diretora do Museu de l’Orangerie e também curadora da exposição, Cécile Debray, em declarações à agência Lusa.

A exposição de Paula Rego em Paris esteve aberta ao público 77 dias, entre 17 de outubro e 14 de janeiro, e foi, durante esse período, visitada por mais de 183 mil pessoas.

Em 2018, o museu bateu mesmo o recorde de visitantes, recebendo mais de um milhão de pessoas. Este é o museu que abriga as telas gigantes de nenúfares de Monet e tem ainda uma coleção permanente com obras de Picasso e Matisse, entre outros.

Esta foi a primeira grande mostra do trabalho de Paula Rego na capital francesa, algo que surpreendeu os visitantes do museu e despertou um interesse renovado pelo trabalho da artista.

“Há agora mais do que uma curiosidade, houve quase um choque não só devido ao poder da sua obra, mas com o porquê de não se conhecer melhor esta artista em França. Vários visitantes e também críticos questionaram mesmo o porquê de se ter esperado tanto tempo para fazer uma grande exposição como esta sobre Paula Rego”, disse a diretora.

Para além da exposição, o museu organizou também um ciclo de conferências e cinema à volta da artista, mostrando outras perspetivas sobre a sua vida e a sua obra que teve sempre salas repletas.

“A sua obra torna-a muito atual. Se ela mostrasse apenas um lado mais doce da vida, o interesse não seria o mesmo. A sua atualidade vem exatamente da maneira como ela aponta o dedo, a maneira como ela trata a condição feminina, mas também as relações entre os homens e as mulheres, entre os adultos e as crianças”, explicou Cécile Debray.

Para o futuro, a diretora do Museu de l’Orangerie espera que a exposição sirva como um “novo sopro” à obra de Paula Rego: “Penso que há desde já uma repercussão em Inglaterra, com uma tomada de consciência desta artista que veio da Escola de Londres. E adoraria que ela também fosse mostrada nos Estados Unidos. A ideia desta exposição foi sempre dar um novo sopro à sua obra”.

Quem é Paula Rego?

Paula Rego, que nasceu em Lisboa a 26 de janeiro de 1935, é uma artista portuguesa.

Oriunda de uma família da alta burguesia, Paula Rego tem ligações às culturas inglesa e francesa. Iniciou os seus estudos em Loures, seguindo para a St. Julian’s School, em Carcavelos, onde os professores lhe reconheceram um talento para a pintura.

Depois partiu para Londres, onde estudou na Slade School of Fine Art, até 1956. Aliás Paula Rego e a sua família fixam-se em 1976 em Londres, no Reino Unido.

Em 1988, realiza a sua primeira grande exposição individual na Serpentine Gallery, em Londres.

Paula Rego também recebeu várias condecorações em Portugal: a Grã-Cruz da Ordem de Sant’Iago da Espada em 2004, o Grande Prémio Amadeo de Souza-Cardoso no Museu Municipal Amadeo de Souza-Cardoso de Amarante em 2013, e a a Medalha de Honra da cidade de Lisboa em 2016.

De notar ainda que Paula Rego abriu em 2009 a Casa das Histórias Paula Rego, que se situa em Cascais. Um museu dedicado à obra de Paula Rego e Victor Willing, com projeto arquitetónico de Eduardo Souto de Moura.

 

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 5 Votos
4.4
X