Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.
Cultura

 

 

A Embaixadora de França em Portugal, Florence Mangin, entregou as insígnias de Oficial da ordem das Artes e das Letras à artista portuguesa de renome internacional Joana Vasconcelos. A cerimónia teve lugar no dia 4 de fevereiro nos salões da Residência de França, na presença de Graça Fonseca, Ministra portuguesa da Cultura.

A Ordem das Artes e Letras é uma das maiores condecorações da República Francesa e destina-se a recompensar pessoas que se distinguem pela sua criação artística ou literária e, ainda, as que contribuem para a influência e o desenvolvimento das artes e letras em França e no Mundo. São três os graus desta ordem: Comendador, Oficial e Cavaleiro.

Segundo o site da Embaixada de França, Joana Vasconcelos “é uma pioneira”: foi a primeira mulher a ter exposto no Château de Versailles em 2012, e a ter representado Portugal, o seu país, na Bienal de Veneza em 2013.

 

Publica-se aqui os dois discursos da tarde:

 

Discurso da Embaixadora Florence Mangin

 

Senhora Ministra da Cultura,

cara Graça Fonseca

Chère Madame Joana Vasconcelos,

Minhas senhoras e meus senhores,

 

É com enorme prazer que vos recebo no Palácio de Santos para prestar homenagem a uma notável representante do mundo da arte contemporânea: Joana Vasconcelos.

A Ordem das Artes e das Letras é uma das quatros ordens ministeriais da República Francesa destinada a recompensar personalidades que se tenham distinguido através da sua obra em áreas artísticas e literárias ou, ainda, que tenham contribuído para o esplendor das artes e das letras em França e no mundo.

Começo por referir que Joana Vasconcelos tem com a França uma longa história de amor com declarações recíprocas constantemente renovadas.

Car c’est bien à Paris que vous êtes née, à l’époque où la vie de nombreux Portugais avait été bousculées par la dictature. Lors du retour à la démocratie, en 1974, vous avez regagné le Portugal avec vos parents. C’est ainsi que la langue française est la vôtre, tout autant que le portugais, et que ce bilinguisme précoce vous a permis par la suite de devenir une véritable polyglotte, un atout supplémentaire pour l’artiste à la renommée internationale que vous êtes devenue quelques années plus tard.

Cosmopolita, sem qualquer dúvida. Muitas das suas criações estão profundamente enraizadas nos temas tradicionais portugueses, no saber e na cultura popular, no artesanato e na indústria criativa do país.

Utilizando os materiais mais comuns, mas também mais surpreendentes e inovadores, de ontem e de hoje, Joana Vasconcelos cria um mundo que nos surpreende pela dimensão, pela cor, pela mensagem, sem excluir a sua enorme originalidade para o nosso grande deleite e prazer.

Et, dans ce sens, je me permettrais de citer notre réputé philosophe Gilles Lipovetsky qui a consacré de très belles pages à votre œuvre, en la décrivant dans ces termes: «Une banalité triviale dont l’inspiration emprunte au plus commun ses sujets et ses formes, et qui pourtant dégage une poésie intense. Une présence affirmée de la tradition, du terroir, de la coutume et qui n’exclut nullement une contemporanéité affichée, un art du temps présent, du monde présent, dans sa dimension planétaire et globalisée».

De cette œuvre à la fois poétique, baroque, provoquante, mais aussi empreinte d’humour, la France est friande et ne s’en lasse jamais, chère Joana Vasconcelos.

En 2012, vous avez été invitée à investir le Château de Versailles; en 2018, le Musée d’Art moderne et Contemporain de Strasbourg vous a consacré une rétrospective alors que l’Hôtel départemental des arts de Toulon vous a accueillie avec votre exposition «Exagérer pour inventer».

En 2019, le «Cœur de Paris» est votre première œuvre installée durablement dans l’espace public parisien, Porte de Clignancourt, le quartier qui vous a vu naître. Puis, votre «Branco Luz» a investi majestueusement le Bon Marché Rive Gauche.

A Joana Vasconcelos é uma pioneira na representação da mulher: foi a primeira mulher a ter exposto no Château de Versailles em 2012, a ter representado Portugal, o seu país, na Bienal de Veneza em 2013, a ter sido objeto de uma retrospectiva no Museu Guggenheim em Bilbao em 2018 e assim por diante… e tudo isto, por mérito próprio e em perfeita consonância com a energia que coloca na dignificação da imagem da mulher na sua obra.

Si votre féminisme n’exprime aucune agressivité, vous êtes toutefois une excellente combattante, à l’instar des Valkyries qui peuplent votre œuvre, ces déesses guerrières qui sauvent les braves durant les combats. Car, derrière vos walkyries et votre esprit féministe, se cache une véritable passion, entretenue depuis l’enfance, pour le karaté dont vous êtes ceinture noire depuis l’âge de 17 ans!

Vous avez sans aucun doute hérité de vos parents, intellectuels progressistes, l’esprit révolutionnaire. Alors, je pense que vous serez heureuse de revoir l’œuvre de Gérard Fromager, intimement liée à cette époque de mai 1968, à qui le Musée Berardo consacre une rétrospective, lors de l’ouverture, à Lisbonne, de la Saison France-Portugal 2022, à partir du 16 février.

Espero que desfrutem tanto desta exposição como os visitantes franceses que irão descobrir, de maio a novembro de 2022, “L’Arbre de Vie”, um imponente loureiro (laurus nobilis), a sua nova obra especialmente concebida para a Sainte Chapelle de Vincennes, no âmbito da Temporada Portugal-França 2022.

Mais aujourd’hui, pour célébrer votre talent et le lien profond qui nous unit, chère Joana Vasconcelos, «au nom de la République française, nous vous faisons Officier de l’ordre des Arts et des Lettres».

 

Discurso da artista Joana Vasconcelos

 

Muito obrigada em primeiro lugar à Excelentíssima Senhora Embaixadora Florence Mangin, à Senhora Ministra da Cultura francesa Roselyne Bachelot, ao Governo francês, à Senhora Ministra da Cultura portuguesa Graça Fonseca e a todos os que vieram partilhar comigo este momento, neste dia.

É uma grande honra receber estas insígnias, que reconhecem e promovem as pessoas que trabalham para e pela cultura em França e no mundo. Sinto-me agraciada, emocionada, agradecida.

É publicamente conhecida a ligação – forte – que me une a França. Que também corresponde a uma relação afetiva que remonta ao dia do meu nascimento, altura em que os meus pais se encontravam exilados em Paris.

Ao longo dos últimos 50 anos, eu cresci como mulher e como artista também pelas ligações que estabeleci com a França, o seu povo e a sua cultura.

Tem sido uma relação de grande reciprocidade. A generosidade dos franceses proporcionou momentos marcantes na minha carreira. Permitiu-me ser a primeira mulher e a mais jovem artista a expor no Palácio de Versalhes. Deu-me a oportunidade de homenagear grandes mulheres francesas – Simone de Beauvoir, Simone Veil e Simone Signoret – em parceria com “Le Bon Marché”; de colaborar com marcas como a Dior, a Chanel ou a Roche Bobois; de ver a minha arte pública em permanência em Nice e em Paris, bem como as minhas peças integrarem as coleções Pinault e da Fundação Louis Vuitton.

Foi também com grande entusiasmo que recebi a carta aberta do Centre des Monuments Nationaux, no contexto da Temporada Cruzada entre Portugal e França, e que comecei a preparar uma escultura monumental para a Capela do Castelo de Vincennes, em Paris, que irei inaugurar em maio.

Impressionou-me a história de outra mulher marcante que passou por ali, Catarina de Médicis, que após a morte do marido e rei Henrique II, levou a cabo a finalização da capela, contribuindo para estabelecer a ligação entre a terra e o céu. Contribuindo para nos elevar da nossa condição humana.

A meu ver, é precisamente isto que a arte faz: eleva-nos acima dos nossos horizontes, para além dos nossos limites. É esta a contribuição das artes e das letras.

Em França, em Portugal, e no mundo.

Merci. Merci beaucoup.

Joana Vasconcelos

 

Donativos LusoJornal

 

X