As artes portuguesas ensinadas na escola do Louvre

As artes portuguesas do século XV ao século XVIII farão parte do programa dos ciclos de descoberta da Escola do Louvre de dia 7 de janeiro a dia 4 de fevereiro, em cinco sessões, todas as terças-feiras, das 19h00 às 20h30.

Se a idade de ouro da Expansão portuguesa legou à História grandes nomes como os de Fernão de Magalhães e Vasco da Gama, a arte portuguesa da época moderna é bastante menos conhecida. Frequentemente ligada à hegemonia do vizinho ibérico ou limitada à sua expressão decorativa, como por exemplo a dos azulejos, o desenvolvimento artístico florescente de Portugal merece, no entanto, a maior atenção. A luz como objeto de pesquisa do pintor primitivo Nuno Gonçalves (1420-1490) ou Josefa de Óbidos (1630-1684), uma artista especializada na pintura religiosa e natureza morta, convidam-nos a redescobrir esses séculos de produção fértil.

A arte manuelina e a sua arquitetura ornamentada testemunham, no final do século XV, do prolífico terreno artístico oferecido pela corte do rei Manuel I, mesmo se a chegada de Jan van Eyck em 1428 já era um sinal de fortes influências cosmopolitas (flamenga, mouriscas ou italianas). Este Renascimento português, dotado de uma escola de notáveis artistas primitivos, desdobra-se de maneira original às fronteiras do Império numa produção de objetos preciosos notáveis: louça de barro, marfim e armários indo-portugueses em Goa, pinturas Namban no Japão, etc.

O desenvolvimento do Barroco alcançará um clímax particular numa opulência expressiva deslumbrante. Este ciclo convida o auditor a explorar as facetas artísticas singulares de um Império cuja extensão continental o tornou numa das primeiras potências mundiais.

 

Programa:

 

Terça-feira, 7 de janeiro, 19h00

“Da Torre de Belém aos Hieronimitas: a arte manuelina (século XV)”

Yves Pauwels, professor de História de Arte Moderna, membro do Institut universitaire de France, Universidade François Rabelais de Tours.

 

Terça-feira, 14 de janeiro, 19h00

“Francisco de Holanda (1518-1584), um artista humanista”

Sylvie Deswarte-Rosa, Diretora de Investigação emérita no CNRS, Institut d’histoire des représentations et des idées dans les modernités (IHRIM), École Normale Supérieure de Lyon.

 

Terça-feira, 21 de janeiro, 19h00

“Para além dos mares. A arte no império português”

Romain Thomas, maître de conférences em História da Arte Moderna, Universidade Paris Nanterre.

 

Terça-feira, 28 de janeiro, 19h00

“A arte dos azulejos (séculos XVII-XVIII)”

Céline Ventura Teixeira, Doutora em História da Arte, Maître de conférences em História da Arte Moderna, Universidade Aix-Marseille.

 

Terça-feira, 4 de fevereiro, 19h00

“Ao serviço da devoção. A pintura e a escultura barrocas (séculos XVII-XVIII)”

Philippe Mendes, Historiador de Arte, galerista.

 

Mais informações em:

https://auditeurs.ecoledulouvre.fr/catalogue/auditeurs/paris/cycles-decouverte

 

École du Louvre

Amphithéâtre Michel-Ange

Palais du Louvre, Porte Jaujard

Place du Carrousel

75001 Paris

 

LusoJornal Artigos