Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Associação de Clamart reconstituiu uma Malhada

LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha

No passado fim de semana decorreu na Salle des Fêtes de Clamart (92), um convívio organizado pela Amicale Franco-Portugaise em torno da Malhada do Milho e das Rusgas.

As festividades começavam com um jantar onde o prato principal era a feijoada, antes das pessoas poderem participar na Malhada do Milho e nas rusgas. “Tivemos muitas pessoas, inclusive bastante franceses a comer também. É a segunda vez que organizamos esta malhada. A festa do milho é muito importante na Comunidade de Clamart”, começou por dizer a Presidente da associação Maria Marques.

Cinco grupos estiveram presentes nas rusgas: Clamart, Ablon-sur-Seine, Versailles, Paris 11 e Paris 19. Maria Marques explicou o que eram as rusgas: “Rusgas é quase o princípio do folclore minhoto. As rusgas não é preciso estarmos trajados. As rusgas é um que vem com uma concertina, depois vem outro, e as pessoas começam a dançar. A juventude adere muito mais às rusgas do que ao folclore neste momento”, sublinhou. “O folclore, cada um tem de cantar, mostra as danças, mas tem de haver um certo rigor, aqui não, todos podem dançar com qualquer grupo presente. E mesmo pessoas que não fazem parte do grupo”, frisou entusiasmada.

É apenas a segunda edição da Malhada, Maria Marques contou ao LusoJornal como surgiu a ideia, visto que até agora a Associação apenas fazia a Desfolhada. “Esta ideia já surgiu há muitos anos. A Desfolhada em Clamart tem já 17 anos. Durante 17 anos fomos cortar milho na região da Champagne, fazíamos a Desfolhada nesta sela e dêmos o milho a um senhor aqui em Clamart porque ele tinha galinhas. O ano passado ele disse que ia embora de Clamart. Foi assim que surgiu de pôr em prática a ideia da Malhada. Guardámos o milho da Desfolhada e agora como temos a sala disponível aqui, aproveitamos para fazer a nossa Malhada do milho”.

Depois lembra que quando vão cortar o milho, “levamos duas camionetas grandes porque há muito milho. É uma Malhada, não é uma amostra”.

A Festa foi total e a sala estava cheia, motivo de orgulho para a Presidente da Associação. “É um prazer ver a sala cheia. É muito bom, sobretudo estamos num momento perto do Natal e as pessoas marcaram presença”, disse Maria Marques antes de nos divulgar os próximos eventos da Amicale: a passagem do ano e a Saint-Sylvestre. “Depois temos a nossa ‘galette’ no dia 19 de janeiro, a 22 de fevereiro temos o grupo Enigma, e a 23 de fevereiro um Festival de folclore. A 25 e 26 de abril temos novamente rusgas e folclore”, concluiu a Presidente da Amicale Franco-Portugaise de Clamart.

 

LusoJornal Artigos
Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 0 Votos
0.0
X