Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.
Religião

 

No Evangelho do próximo domingo, dia 25, encontramos uma parábola difícil… São-nos apresentadas duas personagens: o pobre Lázaro e um homem rico que permanece anónimo. Os dois morrem e descobrimos que um está destinado ao “banquete do Reino” e outro aos “tormentos”. Nada sabemos das ações (boas ou más) praticadas neste mundo pelas duas personagens e as únicas pistas de interpretação parecem relacionar-se com a riqueza e a pobreza que os distinguiam.

Qual é a lição desta parábola? Que ser rico equivale a ser mau e portanto, a estar destinado aos “tormentos”? Atenção a não cair em leituras demasiado superficiais do Evangelho… Sem sombra de dúvida, estamos diante de uma crítica à opulência, mas se o homem rico é condenado, não o é tanto pela riqueza que possui, quanto pela indiferença que caracterizou a sua vida.

Na lógica do Evangelho, os bens terrenos não pertencem a ninguém em particular (nem sequer àqueles que trabalharam duramente e honestamente para os conquistar), mas são dons de Deus, postos à disposição para serem partilhados e assegurarem uma vida digna a todos. Quem usa os bens para ter uma vida luxuosa, esquecendo-se das necessidades dos outros, está a defraudar o projeto de Deus e os seus irmãos mais pobres.

A parábola diz-nos que entre o banquete do Reino e o “tormento” do homem rico existe um abismo, mas essa realidade não vem de Deus: somos nós que “cavamos” esse fosso cada vez que olhamos em frente e tentamos não cruzar os olhos do pobre que nos suplica uma esmola. O fosso é algo que escolhemos e por isso, apenas nós podemos enchê-lo e eliminá-lo. Como? Colmatando-o com sentimentos de compaixão e obras de misericórdia.

 

Donativos LusoJornal
X