Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.
Comunidade

 

Com 31 anos de idade, o Deputado Carlos Martens Bilongo tem sido o centro de todas as atenções. Quando, na quinta-feira usou da palavra, na Assembleia Nacional francesa, não sabia que a intervenção ia ser encurtada e que ficaria na história da 5ª República.

Carlos Martens Bilongo foi eleito nas legislativas de junho de 2022 no 8° círculo eleitoral do Val d’Oise, nas listas da France Insoumisse (Nupes). Nascido em Villiers-le-Bel, Carlos Martens Bilongo é professor e é filho de mãe angolana, vendedora de joias no mercado de Sarcelles e de pai congolês, motorista de Embaixada. É o filho mais novo da família.

Na quinta-feira da semana passada, o Deputado questionava o Governo sobre a crise migratória e sobre o acolhimento de migrantes que navegam atualmente a bordo do Ocean Viking ao largo da costa italiana, quando um outro Deputado da Extrema-direita, Grégoire de Fournas, disse “que volte para a África”.

Os trabalhos parlamentares foram suspensos no hemiciclo e Carlos Martens Bilongo denunciou ter sido vítima de um ataque racista, com Grégoire de Fournas a declarar do seu lado que tinha sido mal compreendido e estava a dizer “que voltem para África” para os migrantes que querem chegar à Europa.

Em declarações à Lusa, o politólogo Jean Garrigues diz que as declarações de Grégoire de Fournas mostram a xenofobia e racismo que continuam a persistir no Rassemblement National de Marine Le Pen. “É incontestavelmente um episódio triste porque desde logo é uma enésima provocação que descredibiliza uma parte dos Deputados, mas também é uma maneira de mostrar a que ponto estes comentários estão impregnados na cultura da Rassemblement National. Continua a haver xenofobia, racismo, desconfiança e ódio contra a imigração”, declarou o investigador.

Carlos Martens Bilongo obteve um Bac profissional no Liceu Gustave-Monod de Saint Gratien, passando depois pela escola de comércio Isifa, obtendo um BTS de técnico-comercial e depois uma Licenciatura de Marketing. Desde 2019 passou a ser, ele próprio, professor de economia e direito no Liceu Alexandre Dumas, em Saint Cloud.

No seu currículo, consta também que foi coach desportivo e formador físico, treinado nomeadamente a cantora Aya Nakamura.

Nas últimas eleições legislativas derrotou, com 61,72% dos votos, o anterior Deputado, o socialista François Pupponi, tendo contado com o apoio dos Maires de Sarcelles, Garches-lès-Gonesse e Villiers-le-Bel.

No seguimento do episódio de quinta-feira, dia 3 de novembro, Grégoire de Fournas foi sancionado logo no dia seguinte, sexta-feira, ficando com metade do salário suspensa durante dois meses e não podendo sentar-se no seu lugar de Deputado durante 15 dias, a pena mais forte que a Assembleia Nacional pode aplicar.

Ainda segundo a Lusa, esta é uma pena que para Jean Garrigues não reflete o tamanho da injúria. “São sanções ligeiras, porque o Deputado até já veio tentar encontrar desculpas para o que disse. A possibilidade a seguir é que esta intervenção seja abrangida pelo direito e a lei que prevê a punição nestes casos é a lei Gayssot, que trata da discriminação e insultos racistas. Para isso, a imunidade parlamentar tem de ser retirada ao Deputado”, explicou.

No entanto, o que fica para a história é o facto raríssimo na 5ª República de uma sessão de perguntas ao Governo ter sido interrompida definitivamente, neste caso pela Presidente da Assembleia Nacional Yaël Braun-Pivet e pelo facto de um Deputado ter sido punido com a sansão máxima do parlamento francês.

 

Donativos LusoJornal
X