Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Clermont-Ferrand: Churrascaria Torigal “de vento em popa” apesar da pandemia

Donativos LusoJornal

 

Carlos Martins é o proprietário da churrascaria Torigal, em Clermont-Ferrand. Desde a sua abertura em 2000, o estabelecimento é um negócio de família. A empresa foi uma novidade na cidade porque, mesmo se as churrascarias são muitas conhecidas em Portugal, são muito menos em França.

Nascido em Braga, Carlos Martins chega a França em 1971, com apenas 7 anos de idade, porque os pais já cá estavam há um ano. Depois de ter trabalhado na construção civil, quando a mãe abriu um restaurante português, foi trabalhar com ela, como barman. Em 2000 cria a sua “rotisserie” com a mãe e a irmã. Mas foi Carlos Martins que teve a ideia de fazer o estabelecimento porque viu que em Portugal a churrascaria funcionava bem.

“Quando eu vi que a minha mãe estava aborrecida, tive a ideia de criar a churrascaria e fui ver como funcionava” explica ao LusoJornal. Ele próprio também fez as obras do restaurante.

Hoje a churrascaria emprega dez pessoas, incluindo o seu próprio filho, tornando-o num verdadeiro negócio de família.

Aberto há 21 anos, é especializado em pratos portugueses. No menu propõe frango marinado e assado, costelas de porco, bacalhau e muitas outras especialidades portuguesas. Os produtos utilizados na cozinha do Torigal são provenientes da agricultura da Auvergne, com o rótulo vermelho.

Desde o início, a clientela correspondeu. A propósito, Carlos Martins confia ao LusoJornal que “o negócio está de vento em popa”. A clientela do Torigal é bastante diversificada porque há portugueses, africanos e também franceses que vão de férias a Portugal e descobrem lá as churrasqueiras. Os clientes parecem satisfeitos com a atmosfera e com a qualidade dos produtos.

Durante o primeiro confinamento o Torigal teve de fechar portas durante 7 semanas, mas como não é um restaurante – de facto só faz comida para fora – conseguiu reabrir. Além disso, tem direito a ajuda estatal através do desemprego parcial.

Mesmo se o volume de negócios diminuiu um pouco, Carlos Martins pode continuar a trabalhar, contrariamente a outros restaurantes que tiveram de fechar as portas. Assim, apesar da situação atual, o Torigal parece ter um longo e belo futuro pela frente.

 

Empresas
X