Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Devido à pandemia da Covid-19, muitos foram os alunos que ficaram com as aulas presenciais suspensas. Nestes alunos incluem-se não só os alunos com aulas presenciais em Portugal como também todos os alunos com aulas presenciais disponibilizadas pelo Instituto Camões.

Neste período muitos dos professores que se viram sujeitos a este imprevisto foram genericamente acompanhando os alunos à distância, aguardando-se que esta situação fosse de certa forma passageira. Algo que não aconteceu, e que levou o Governo português a tomar diversas medidas, entre elas limitar as aulas presenciais para milhares de alunos até ao final do ano letivo.

Esta foi uma época onde muitos professores sentiram também dificuldades em fazer chegar a sua mensagem para aulas à distância. Facto esse amplamente divulgado publicamente.

Vítor Oliveira, Presidente do Business Development Group France Portugal, em Toulouse, colabora com a Universidade Aberta de Portugal, desde 2017, nomeadamente em questões relacionadas com as Comunidades portuguesas no mundo. E foi nessa qualidade que escreveu ao Ministro da educação, Tiago Brandão Rodrigues, pedindo uma “intervenção rápida” do Governo português na solicitação dos serviços da Universidade Aberta, nomeadamente para a formação de professores e para que pudessem por ao serviço do país toda a experiência acumulada ao longo dos anos, no ensino à distância. “É imperativo que o Governo de Portugal encete diligências com a Universidade Aberta, para que se pudesse formar, tanto professores como Diretores de escolas – há capacidade, pela experiência da UAb em fazer este processo em tempo recorde. Recordo que a UAb já teve projetos para formação de professores em Portugal e em países da CPLP”.

A Universidade já forma aliás professores em outras geografias, como é o caso de Timor.

A Universidade foi de facto chamada a colaborar com o Ministério da educação e no início de abril deu-se a disponibilização dos cursos para que os professores em Portugal e os professores da rede de Ensino Português no Estrangeiro (EPE) tutelados pelo Instituto Camões (IC), possam ter um curso online para conseguirem adaptar-se à transição da sala de aula para o digital.

O curso de formação “Do presencial ao online – guia de apoio à rede EPE” está a ser promovido no site Internet do Instituto Camões, na sua plataforma de e-learning.

“Tendo os professores do EPE como primeiros destinatários, a formação está também disponível para docentes em geral, fornecendo um apoio à adaptação para a modalidade de ensino online em que primordialmente se desenvolve, no momento, a sua ação” diz uma nota do Instituto Camões. “O curso, de frequência gratuita e certificado como Ação de Formação de Curta Duração (6 horas de trabalho), foi desenvolvido pela Doutora Adelina Moura, em articulação com o Camões, I.P., encontrando-se estruturado em 3 módulos assíncronos, para acesso com maior facilidade: Implicações didáticas na passagem ao ensino online (2 horas); Ferramentas web síncronas e assíncronas (2 horas); e Ferramentas mobile (2 horas)”

Além de 2.600 docentes da DGE, na primeira fase, também os Açores vão congregar para o efeito os 5.000 professores.

Os professores da Diáspora têm assim uma ferramenta importantíssima ao seu dispor, fruto da colaboração entre o Instituto Camões e a Universidade Aberta, para melhor enfrentarem o resto do ano letivo, e estarem mais próximos virtualmente dos seus alunos.

 

Ensino
X