Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

O candidato presidencial francês Emmanuel Macron gosta de vinho e de presunto portugueses, de uma boa conversa e fala com todos, do patrão ao empregado, na “cantina gourmet” “Da Rosa”, em Paris, que já serviu Jacques Chirac.

José da Rosa, o patrão, é um amigo do candidato à presidência da República francesa, com quem fala de política, da família, de França e de Portugal, gostando de o aconselhar na descoberta de vinhos e produtos “gourmet” “made in Portugal”.

“O vinho que ele bebia de cada vez era um vinho do Douro. Também estou a importar o vinho do Pedro Vasconcelos e Sousa que tem uma adega que é uma das mais bonitas de Portugal que está no Alentejo, no Freixo. Eu disse há uns meses ao Emmanuel: ‘Tens que provar este que ainda é melhor que esse do Douro’ e desde esse dia provou, gostou muito e quando vem é esse”, contou à Lusa José da Rosa.

Emmanuel Macron também gosta de beber, em ocasiões mais especiais, um copo do Freixo Family Collection, “o melhor do melhor”, e José da Rosa espera levar o vinho português para os salões do Palácio do Eliseu, onde o seu presunto pata negra já tinha deliciado o antigo Presidente Jacques Chirac, mesmo a altas horas da noite. “Também gosta de vinho, mas gostava muito de presunto. O presunto, ele guardava-o na cozinha dele privada, e quando acordava de noite ia cortar, bebia uma cerveja e cortava com a faca dele o presunto que a gente lhe vendia”, recordou.

À mesa de Emmanuel Macron, no restaurante “Da Rosa”, no bairro de Saint Germain-des-Près, é habitual haver “presunto português ou espanhol pata negra, uma sopa do dia”, alcachofras italianas, “lardo di colonnata” italiano e o candidato ao Eliseu vai provando sugestões de José da Rosa, como um queijo português do Alentejo.

“Eu sempre lhe disse: ‘Um dia serás Presidente, vais esquecer José da Rosa’. ‘Não, a gente é muito fiel’, disse-me ele e a Brigitte. ‘Depois da eleição, que passe ou não passe, eu estou aqui outra vez’”, prometeu Emmanuel Macron, com José a afiançar que se ele for eleito Presidente de França isso não vai modificar a amizade.

Pela “cantina gourmet” Da Rosa já passaram atores como Jean Dujardin, Marion Cotillard, Gilles Lellouche, Omar Sy e Vincent Lindon, políticos como o ex-Primeiro-Ministro Manuel Valls, o Comissário europeu Pierre Moscovici ou o antigo Ministro dos Negócios Estrangeiros Laurent Fabius, mas Emmanuel Macron e a esposa Brigitte são dos mais fiéis. “Ele sempre foi muito humano com todas as pessoas, seja o patrão, o diretor, o empregado, o preto, o branco. É uma coisa que gosto muito no Emmanuel é ser tão humano que até pode parecer demais. Lembra-se do nome das pessoas. A Brigitte é uma pessoa muito simpática, agradável, que está muito, muito perto dele, ajuda-o muito e sempre vieram juntos”, afirmou.

José da Rosa foi “um dos primeiros fãs” de Emmanuel Macron, que recebe “há 11, 12 anos”, tendo acompanhado a sua carreira e tendo-lhe sugerido “há dois anos e meio”, quando ainda era Ministro da Economia, para se candidatar a Presidente, ao que Macron respondeu que refletiria mais tarde, depois de concretizados os projetos no Governo.

O franco-português de 52 anos, que chegou a França com seis anos, acredita que Macron “pode modificar a vida dos Franceses e da França”, um país que precisa de “um eletrochoque”, e, por isso, votou no candidato centrista na primeira volta, vai repetir na segunda volta de 7 de maio, e sempre o defendeu perante os seus “800 clientes”, vizinhos, familiares e amigos.

“Quando falamos da Europa, é uma pessoa que quer fazer muito pela Europa, quer fazer pela França, mas também pelos países que estão à volta – não só os países ricos como a Alemanha, mas também Espanha, Portugal, Itália, países onde há mais problemas – para construir uma verdadeira reunificação desses Estados europeus e fazer um grupo de Estados europeus mais fortes”, explicou.

Em Paris, além da “épicerie-cantine” no bairro de Saint Germain-des-Près, José da Rosa tem outra “cantina gourmet” perto da Place Vendôme e do Museu do Louvre, um atelier de degustações próximo da Bastilha, e os seus produtos estão representados no selecto centro comercial “Le Bon Marché” e na loja de decoração de interiores “La Maison Sarah Lavoine”.

José da Rosa quer levar, nos próximos anos, as suas “epiceries-cantine” para Lisboa, Algarve e Alentejo, associadas a projetos de hotelaria e “turismo gourmet” com ateliês de cozinha animados por “chefs” franceses, portugueses e internacionais.

Os produtos de mercearia fina com a etiqueta Da Rosa são originários, essencialmente, de pequenos produtores em Espanha, Itália e Portugal, como o presunto ibérico de bellota, butarga, azeite, vinho, conservas de sardinha, tendo sido aprovados por vários “chefs” Michelin como Joël Robuchon – conhecido como o “chef” francês com mais estrelas Michelin do mundo – Alain Ducasse, Guy Savoie, Hélène Darroze, Cyril Lignac ou Yannick Alléno.

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 3 Votos
7.7
X