Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Documentário “As Vozes do Fado” com antestreia francesa hoje em Paris

O documentário «As Vozes do Fado», de Ruben Alves e Christophe Fonseca (Imagina Produções), vai ser exibido esta quinta-feira, 8 de março, em antestreia em França, no cinema parisiense Le Lincoln, no âmbito da Semana dos Cinemas Estrangeiros em Paris.

«Este filme é imediatamente sobre música e identifica logo o país. Tem um potencial de atração do público francês e não é um filme de choradinho do fado. O fado não é tratado de maneira arcaica e saudosista, mas de uma maneira contemporânea», justificou João Pinharanda, Diretor do Centro Cultural Português do Instituto Camões em Paris.

«Este filme é a peça final de uma ação à volta do fado que se iniciou com um CD para Universal France com artistas emblemáticos nacionais e internacionais, a realização de uma obra artística em Lisboa: um monumento homenagem a Amália assinado por Vhils, para terminar neste filme» diz o documento de apresentação do filme.

«As Vozes do Fado», que foi apresentado a 02 de dezembro no Cinema São Jorge, em Lisboa, conta com a participação de Carlos do Carmo, Ana Moura, Mariza, Camané, Celeste Rodrigues, Carminho, Ricardo Ribeiro, Gisela João e Raquel Tavares.

O filme foi realizado pelo autor de «A Gaiola Dourada», Ruben Alves, e por Christophe Fonseca, que fez o documentário «Amadeo de Souza Cardoso – O Último Segredo da Arte Moderna», criado para a exposição sobre o pintor português no Grand Palais, em Paris, em 2016, e que foi difundido, por exemplo, nas salas do Grand Palais e do Museu do Louvre, em Paris, e no MoMA, em Nova Iorque.

Realizado a duas mãos, «As Vozes do Fado», que contou com o apoio do ICA, do Museu do Fado e da Câmara Municipal de Lisboa, é um filme documentário que não procura dar definições, nem ser uma lição da história do fado. «É um filme que vai simplesmente ao encontro do Fado tal qual ele é, percorrendo os diferentes ambientes de Fado, acompanhando de forma espontânea e íntima os principais rostos da atualidade para deixar que, tal como o Fado, emerja a sua história e a sua essência, surgindo casualmente num café, numa conversa, no Museu do Fado, numa falua do Tejo».

Através das ruas da cidade e dos seus lugares simbólicos, o filme deambula assim por entre os muros carregados de histórias e de testemunhos de tantos encontros sempre acompanhados de figuras emblemáticas do género mas também dos simples habitantes da cidade e de outros amadores do fado evocando desta forma a memória das primeiras vezes de cada um, das suas descobertas do mundo do Fado.

De Paris a Lisboa, passando por cidades como o Porto, mergulhando nas desgarradas do universo restrito das tertúlias ou entrando nos «coulis» da imponente sala do Grand Rex em Paris, de Carlos do Carmo a um Fado de rua, do Professor Rui Vieira Nery a uma frase solta no balcão, todos têm voz neste filme, que conta o Fado tal qual ele é, sem filtros, é o Fado como ele é.

 

 

 

 

 

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 7 Votos
6.4
X