LusoJornal | Carlos Pereira

Encontro de investidores da diáspora: Paulo Cafôfo elogiou diáspora de “valor incalculável”

Empresas

 

O Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas considerou ontem, em Fátima, que os Portugueses espalhados pelos quatro cantos do mundo representam “um ativo de enorme importância e de um valor incalculável”. Paulo Cafôfo falava na sessão de encerramento dos Encontros dos Investidores da Diáspora, que tiveram lugar em Fátima entre quinta-feira à tarde e sábado.

Antes de Paulo Cafôfo, a convidada especial do sábado de manhã foi a Comissária europeia Elisa Ferreira. “A Comissária europeia Elisa Ferreira, que nos honra com a sua presença, disse que Portugal tem a sorte de ter uma diáspora como a nossa, agora imagine, senhora Comissária, a sorte que é a minha de servir essa diáspora e de estar em contacto com essas Portuguesas e esses Portugueses que moram pelo mundo fora” disse o Secretário de Estado.

Ao fazer um “balanço mais que positivo” deste encontro, o Secretário de Estado virou-se para os participantes que se deslocaram do estrangeiro dizendo-lhes que “a vossa presença aqui é um estímulo para fazermos mais e melhor”.

Durante os três dias, passaram por Fátima vários Ministros – desde a Ministra da Agricultura ao Ministro da Economia e do Mar, passando pela Ministra da Coesão territorial – e Secretários de Estado. “Isto releva o compromisso que o Governo tem com a diáspora e com os Portugueses residentes no estrangeiro” valorizou Paulo Cafôfo, ao mesmo tempo que agradecia a colaboração, na organização do evento, da Secretária de Estado do Desenvolvimento Regional, Isabel Ferreira.

O convidado de honra deste Encontro foi Jorge Santos, Ministro das Comunidades de Cabo Verde.

Este evento já tinha sido previsto para 2020, ainda pela então Secretária de Estado Berta Nunes, mas foi adiado por razões pandémicas. Paulo Cafôfo agradeceu especialmente ao Presidente da Câmara Municipal de Ourém, Luís Miguel Albuquerque, “que foi um excelente anfitrião. Este encontro em Fátima foi abençoado não apenas pelo sítio onde estamos, mas também por termos uma autarquia que tão bem soube receber compatriotas de todo o mundo”.

Cristina Coelho, Adjunta do Secretário de Estado das Comunidades e responsável pelo Programa nacional de apoio ao investimento da diáspora (PNAID) disse ao LusoJornal que foi ultrapassada a barreira dos 750 participantes neste evento. “Com mais de 700 participantes, estamos perante um dos maiores encontros de empresários de Portugal” disse Paulo Cafôfo no seu discurso final. Por ali passaram também 151 intervenientes ativos e oradores”.

“É com grande satisfação que aqui vejo empreendedores empenhados em apostar em Portugal, onde não residem, mas onde o seu coração mora e isto faz toda a diferença nesta ligação e em todos estes investimentos” disse o Secretário de Estado. “O desafio do Governo é criar as condições adequadas para que Portugal seja mais atrativo para investir, seja cada vez mais um destino sólido e de confiança para receber investimentos, com mais conhecimento, com recursos humanos mais qualificados, com mais crescimento e mais oportunidades”.

“Temos, em relação à diáspora, o dever de retribuição” referiu Paulo Cafôfo. O PNAID congrega 15 áreas governativas “sob o signo comum de atrair investimento da diáspora e fazer das nossas Comunidades um fator de promoção e afirmação de Portugal, apoiando as exportações, contribuindo para a coesão territorial e fixação de pessoas e negócios nomeadamente no interior do país”.

Referindo-se aos cerca de 5 milhões de Portugueses residentes no estrangeiro, espalhados por todo o mundo, Paulo Cafôfo disse que “se olharmos apenas para as suas remessas, estamos perante um valor de 1,7% do nosso PIB, mais de 3 mil milhões de euros, um valor importante, certamente, mas o valor da nossa diáspora vai muito além deste indicador económico, porque a nossa diáspora tem competências, tem conhecimento, tem exposição ao mundo dos negócios, da ciência, das artes, que podem ajudar a impulsionar o capital humano para conhecimento”. E, para utilizar um termo da moda, o Secretário de Estado fala mesmo em “influenciadores” da portugalidade.

Paulo Cafôfo teceu fortes elogios aos Portugueses residentes no estrangeiro e afirmou que é um “dever” para Portugal “criar as condições para dar aos nossos compatriotas que saíram do pais, as oportunidades para que possam voltar, para que possam investir, para que possam estudar e para que possam, se assim o entenderem, voltar a viver em Portugal” e referiu ainda que “a ação do Governo nesta matéria tem de ser encarada com tanta coragem como aquela que tantos portugueses tiveram, deixando para trás amigos e família em busca de um futuro noutro país”.

“Temos uma diáspora vibrante e orgulhosamente portuguesa” disse o Secretário de Estado ao mesmo tempo que referia que essa mesma diáspora contribui para a atração de investimento e de turismo para Portugal. “Um quarto do turismo estrangeiro que visita o nosso país, tem, segundo alguns estudos, ligação com os Portugueses e lusodescendentes, referiu. “E os países com mais diáspora portuguesa são, normalmente, países com mais exportações e com mais investimento externo”.

Por isso, terminou dizendo que “estamos de braços abertos para vos receber”.

 

Donativos LusoJornal