Entrega de prémios do Concurso Literário “As minhas férias em Portugal” – “A escrita literária é um espaço de absoluta liberdade”

Cultura

 

No passado sábado, a Casa de Portugal André de Gouveia na Cidade Universitária de Paris encheu para a acolher a Cerimónia de entrega de prémios relativos ao Concurso Literário “As minhas férias em Portugal” dinamizado pela Associação Internacional dos Lusodescendentes (AILD) e a Rádio Arc en Ciel de Orleães.

A anteceder a cerimónia, Nuno Gomes Garcia, escritor, e Sara Novais Nogueira, educadora e dinamizadora do projeto “Literanto”, ajudaram os jovens participantes a consolidarem métodos de leitura e de escrita graças a uma oficina de criatividade literária em língua portuguesa. Ambos salientaram a leitura como base essencial da escrita.

De acordo com Nuno Gomes Garcia, escritor português a viver em França, “a escrita literária é um espaço de absoluta liberdade, do qual devemos usufruir ao mesmo tempo que temos a responsabilidade de o proteger, pois a liberdade artística, como se viu ao longo da História, não é uma perpétua garantia”. Durante a oficina de escrita, os jovens autores procederam à escrita de um texto baseado no popular livro infantojuvenil “Pedro Alecrim” da autoria de António Mota, uma obra que aborda a pobreza e a desigualdade social como principal responsável do abandono escolar e dos sonhos desfeitos.

As dezenas de participantes – alunos de português, pais e professores – foram acolhidos por Ana Paixão, Diretora da Casa de Portugal, e por Cristina Passas, a representante da AILD que viajou de Portugal até Paris para assistir à cerimónia. Ambas são membros do júri do concurso juntamente com mais cinco elementos, por entre escritores, jornalistas e professores.

As duas vencedoras do concurso, a franco-brasileira Clara Silveira Dunand, 12 anos, com o texto “O espírito do rio”, e Léane de Abreu, 16 anos, autora de “Detalhes, hospital e borboletas”, receberam um voucher no valor de 150€ em livros.

Clara Silveira Dunand foi a concurso com um texto do domínio do fantástico no qual uma visitante recebe a ajuda do espírito do rio Mondego para conhecer a cidade de Coimbra. Já Léane de Abreu surpreendeu com um texto bastante maduro, narrado na primeira pessoa, onde descreve a perda do seu avô no passado verão durante as suas férias em Portugal. “A prova”, segundo a jovem autora, “de que nem sempre as férias significam alegria”.

Por entre os duzentos textos de prosa e poesia, histórias de família, viagens no tempo e jornais de bordo, os membros do júri galardoaram igualmente dez autores (Matéo Augusto Rodrigues, Manuel Moreira Fonseca, Mickael Dias Brito, Diego Badolato Viala, Sara da Cruz, Carolina Marques Cabral, Helena Cabral, Arthur Leplat, Isabela Marques e Arthur Bouchet Leal) com menções honrosas, recebendo cada um deles um “Atlas da língua portuguesa”.

A AILD confirmou uma segunda edição do Concurso Literário “As minhas férias em Portugal” em 2023, e que será oficialmente anunciado mais para o final do ano letivo “para que os alunos possam, durante as férias de verão em Portugal, pensar no texto a escrever”.

A associação, que tem como grande objetivo ver crescer o número de textos a concurso, acrescenta que “a qualidade dos trabalhos destes potenciais escritores confirma que a língua portuguesa tem futuro e que esta nova geração de lusodescendentes, naturalmente plurilingue e multicultural, é também o garante da nossa língua comum”.

 

Donativos LusoJornal