9   +   10   =  

Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

O filme “Colo”, da realizadora Teresa Villaverde, produzido pela Leopardo Filmes chega às salas francesas dia 19 de junho. O filme já havia estreado em Portugal a 5 de outubro do ano passado.

“Colo” cujo título em francês é “Contre ton coeur” tinha sido apresentado no prestigioso festival de cinema de Berlim e foi distinguido com o grande prémio Bildrausch Ring of Cinema Art, no festival suíço Bildrausch, dedicado ao cinema de autor, considerado como o “festival dos festivais”.

Entretanto o filme já passou por outros festivais em Hong Kong, Uruguai, Áustria e Turquia. Para além disso, foi ainda o filme de abertura do Festival Indie Lisboa.

O filme tem como atores nos principais papéis Beatriz Batarda e João Pedro Vaz. O enredo, segundo a ficha artística do ICA, passa-se em Lisboa, “onde uma mãe trabalha em dois empregos enquanto o seu marido ficou desempregado. Têm uma filha adolescente. Com as dificuldades que se vão acumulando, gradualmente eles afastam-se uns dos outros, e uma tensão cresce em silencio e culpa. O filme é uma reflexão atual sobre o nosso caminho comum como sociedades europeias de hoje, sobre o nosso isolamento, a nossa perplexidade perante as dificuldades que nos vão surgindo, sobre a nossa vida nas cidades e dentro das nossas famílias. É um filme em tensão crescente que nunca chega a explodir”.

A realizadora, em entrevista à Lusa explica que os seus personagens “estão nitidamente perdidos, sem colo e sem saber sequer onde é que hão de procurar esse colo e resolver as coisas. E eu, que estou a olhar para eles, também não sei o que lhes hei de dizer. O filme é muito isso”.

Teresa Villaverde descreveu igualmente as condições de realização dos seus filmes em Portugal: “Temos constrangimentos de orçamento, trabalhamos com muito menos dinheiro do que a maioria dos países europeus, mas, ao mesmo tempo, não temos essa pressão que existe por exemplo, noutros países, das televisões e privados, que investem muito dinheiro e querem o dinheiro de volta, e acaba por haver uma normalização dos filmes”.

Nascida em Lisboa em 1966, Teresa Villaverde colaborou com João César Monteiro, José Álvaro Morais e João Canijo antes de se lançar, nos anos 90, como realizadora.

Teresa Villaverde é da mesma geração de realizadores como Pedro Costa e João Pedro Rodrigues, Teresa Villaverde tem também um percurso premiado e reconhecido por festivais internacionais, dos quais se destacam entre outros filmes, “Três irmãos” (1994), que teve estreia mundial em Veneza, ou “Os Mutantes” (1998) e “Transe” (2006), selecionados para Cannes.

Pela ocasião da estreia do filme, o Centre Pompidou realiza uma retrospetiva inédita da obra de Teresa Villaverde de dia 14 a 30 de junho, em presença da realizadora.

Mais informações: www.centrepompidou.fr

 

LusoJornal Artigos

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 3 Votos
8.5
X