Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Festa portuguesa abrilhantou Villeneuve-le-Roi

LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha

No domingo passado, a Associação franco-portuguesa desportiva e cultural de Villeneuve-le-Roi organizou a sua tradicional Festa Portuguesa no complexo desportivo de La Grusie, com a participação de José Malhoa, Elena Correia, Lucy e Os Vouguinhas. Durante a tarde atuaram ainda os grupos de folclore Juventude de Villeneuve-le-Roi e Flores do Lima de Villeneuve Saint Georges.

«Isto dá imenso prazer. De ano para ano esta festa tem cada vez mais sucesso» explicou ao LusoJornal Adelino de Pinho, o Presidente da coletividade. Mesmo se confirma que «não é nada fácil fazer uma festa como esta, com esta qualidade, com estes artistas, mas com entrada gratuita». Por isso agradeceu aos patrocinadores do espetáculo.

David Correia, manager de artistas, estimou em cerca de 5.000 pessoas no recinto da festa. É marido da cantora Elena Correia e deixou de lado a sua própria carreira para se consagrar à carreira da mulher. «A Elena esteve aqui em 2015 e este ano foi um sucesso ainda maior. É, sem dúvida, uma das artistas mais conceituadas aqui» disse ao LusoJornal. «O meu maior prazer é vê-la ir o mais longe possível».

O novo trabalho de Elena Correia saiu no dia 1 de junho, mas o público parece ter aderido facilmente às canções. «Temos uma editora fantástica, a Espacial, que nos apoia muito, estamos sempre na televisão, em programas vistos por milhares de pessoas». No dia anterior Elena Correia tinha cantado em Resende, Lamego, este fim de semana está em Decines, Lyon, ainda em julho tem vários concertos em Portugal e tem uma digressão com várias datas, em várias localidades de Portugal, entre os dias 4 e 25 de agosto. «Ela tem uma voz única, com um timbre inconfundível. As pessoas fazem muitos quilómetros para a ouvir cantar, tanto em França, como na Suíça, como em Portugal».

Elena Correia gravou dois temas com José Malhoa, e cantou-os em palco com o cantor. «Já trabalho com ele há muitos anos, somos amigos, quando lhe fiz a proposta, ele aceitou logo» explicou David Correia.

Lucy cantou pela primeira vez em Villeneuve-le-Roi. Tinha cantado dias antes em Orléans e em janeiro cantou em Paris. Volta a Paris em setembro e em outubro. «O público é fantástico, aderiu bem, aplaudiu, adorei quando finalizei com um tema sobre a minha mãe, é um tema que emociona muito e vi no coração deles que eles estavam completamente emocionados com o tema» confessou ao LusoJornal.

Lucy gosta vir cantar ao estrangeiro. «O público é diferente. Quando viemos para o estrangeiro os Portugueses recebem-nos de outra forma, porque no fundo estamos aqui a representar Portugal».

«Os Vouguinhas» nunca tinham cantado fora de Portugal. O grupo começou com Lúcia Figueiredo, com apenas 14 anos de idade, e com Tiago. Os dois tocam concertina, depois juntou-se a eles o Samuel, a Mariana, a Ângela Figueiredo, a mais velha do grupo com 18 anos, e o Leandro. O grupo tem 6 elementos e vem de S. Pedro do Sul, Viseu, para representar a música tradicional portuguesa.

Dançaram, cantaram, e transmitiram alegria ao público. «Este público é da borga, é gente que gosta de dançar e de cantar, e tem orgulho na nossa nacionalidade» afirmou Lúcia Figueiredo. «Nós queremos sempre que as pessoas cantem connosco, a festa é deles e eles têm de participar».

Quando os dirigentes da associação os ouviram cantar em S. Pedro do Sul, perguntaram-lhes que queriam vir cantar a França. «Respondemos logo que seria um sonho para nós e esse sonho acabou por se concretizar».

A associação tem um grupo de folclore que representa a região de Lafões, na Beira Alta. «Temos saídas praticamente todas as semanas» diz o Presidente da associação, que este ano também organizou uma viagem a Lourdes e outra a um parque de atrações perto de Troyes.

 

 

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 3 Votos
8.2
X