Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Flora Gaugry, a menina prodígio da concertina

Donativos LusoJornal

 

Filha de mãe portuguesa, de Amarante, que emigrou para a França ainda jovem, e pai francês, radicados no 93, Île-de-France, Flora Gaugry nasceu em França e mantém uma grande ligação às suas raízes lusófonas através da música e da cultura folclórica.

Aos 5 anos encontrou em casa uma antiga concertina e começou a tocar de ouvido, influenciada por artistas do mesmo género musical.

Pediu aos pais para se aperfeiçoar e aprender o instrumento. Teve aulas particulares com o professor Simão Simão e na mesma altura ganhou uma concertina nova, para que continuasse a evoluir musicalmente.

Depois, ingressou no Rancho folclórico Estrelas Minhotas de Champigny, onde se apresentou em diversas coletividades e associações portuguesas por terras de Molière. Mais recentemente tinha ingressado no rancho folclórico Minhotos Unidos de Noisy-le-Sec, também na região parisiense, onde ainda fez algumas atuações em público, tendo interrompido a atividade devido à atual situação sanitária.

Paralelamente foi convidada a juntar-se a diversas atuações ao vivo com grupos de Bombos, chegando a tocar na Foire du Trône, em celebrações festivas do 25 de Abril em Fontenay-sous-Bois e noutras associações portuguesas um pouco por toda a França.

Durante umas férias em Portugal, na zona de Amarante, por coincidência estava no mesmo restaurante que o atual Primeiro Ministro António Costa e foi convidada pela direção do restaurante para fazer uma pequena atuação ao vivo em exclusivo para o Chefe do Governo português. Foi um momento que relembrará por muito tempo.

Em 2019, teve a sua primeira entrevista numa rádio, a IDFM, a convite de Antoine Borges, onde apresentou o seu talento para um público mais vasto.

Enquanto tocadora de um instrumento de folclore, teve a oportunidade ainda de juntar os seus dotes musicais com outros profissionais da área musical, tais como Hélder Batista, Fernando Calheiro, Romeo Costa e Carlos Pires em diversas prestações ao vivo.

Sempre de forma autodidata, aventurou-se num outro instrumento musical, o teclado, com a idade de 10 anos, e sempre de ouvido. Posteriormente, frequentou também alguns ateliers relativamente ao teclado durante as férias de verão em Portugal, de forma a improvisar o seu estilo.

Como atriz, participou também num filme amador para a internet e fez figuração em dois vídeos musicais de Marc Tomé, “Romance Selvagem” e “Maldito Amor”, uma atividade que quer continuar a explorar.

Durante este momento mais difícil da pandemia de Covid-19 nunca desanimou e tomou a iniciativa de animar os vizinhos, com toda a segurança necessária, com atuações no Jardim. Os vizinhos aplaudiram das varandas e das janelas dos edifícios.

Atualmente Flora tem 13 anos, toca teclado, concertina, canta e dança.

 

Cultura
X