Fórum dos Graduados Portugueses no Estrangeiro quer motivar o regresso a Portugal

Associações

 

A décima edição do Fórum GraPE (Graduados portugueses no estrangeiro), que decorrerá ‘online’ em 27 de dezembro, a partir das 15h00 (hora francesa), vai debruçar-se sobre as motivações que levam a um regresso, ou a querer continuar no país de acolhimento.

O evento é organizado desde 2012 por um coletivo de associações de graduados espalhados pelo mundo, que integra também a Agrafr, a Associação dos Graduados Portugueses em França.

“Este ano pretendemos envolver a comunidade graduada portuguesa no estrangeiro, bem como os nossos convidados, em sessões de informação e discussão sobre os incentivos e os desafios que poderão levar a comunidade de graduados portugueses a voltar a residir e trabalhar em Portugal. Quais os principais desafios para um cidadão qualificado em Portugal? Qual é o perfil do graduado português que está no estrangeiro e gostaria de regressar? Quais as medidas necessárias para incentivar graduados portugueses a regressar a Portugal? Como poderão os graduados portugueses no estrangeiro elevar a Indústria e Ciência em Portugal e torná-la globalmente mais competitiva? Estas são algumas das perguntas às quais o Fórum GraPE 2022 procurará dar resposta, num programa concentrado e interativo, no qual contamos com a participação de todos para chegar a conclusões e recomendações concretas” diz um comunicado de imprensa da organização.

“Este tema surge porque, em conversa entre as associações, vemos que há uma parte dos portugueses graduados fora de Portugal que quer voltar, mas não está a par dos programas que existem do Governo, ou dos novos programas que estão a ocorrer que podem ser interessantes para a ciência ou tecnologia, ou até outras áreas”, explicou à Lusa Virgínia Andrade, Presidente da AgraFr, a Associação dos Graduados Portugueses em França.

A edição do Fórum GraPE 2022 será ‘online’, e haverá duas sessões em formato de mesa-redonda. A primeira parte dedica-se ao regresso a Portugal e a segunda aos desafios da preparação de um potencial regresso.

“Temos cerca de 30-40% de inscritos que põem a possibilidade de regressar. Isso quer dizer que mais de metade não quer. Queremos perceber porque é que não querem voltar, se tem a ver com o país em que residem, ou se tem a ver com as condições que Portugal oferece”, realçou a dirigente da AgraFr, que conta cerca de quatro centenas de associados. “Quisemos ter pessoas que falem de porque é que regressaram, como é que decidiram (…) e também, já em Portugal, como é que se encontram. Se gostam da situação em que estão, se estão contentes, se encontraram dificuldades em adaptar-se”, avançou.

A sessão de abertura ficará a cargo de Elvira Fortunato, Ministra da Ciência e Tecnologia e terá, entre os oradores, Ana Mafalda Dourado Santos, da Agência Nacional de Inovação, ou José Albano Marques, Diretor-executivo do Ponto de Contacto para o Regresso do Emigrante – Programa Regressar.

Estão previstas também testemunhos de quem já regressou a Portugal, como Ricardo Henriques (Instituto Gulbenkian de Ciência), Inês Thomas Almeida (IELTS FCSH – Universidade Nova de Lisboa), João Incio (Biovance Capital Partners) e Ana Antunes (Mab Design).

O Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, Paulo Cafôfo, irá falar no encerramento do evento.

“O objetivo do fórum será também fazer um inquérito, e distribuí-lo pelos graduados fora de Portugal para perceber qual a vontade de regressar, quais são as razões, para fazermos um pequeno estudo demográfico”, referiu Virgínia Andrade, de uma das associações organizadoras do Fórum GraPE. “Após a realização de evento vamos proceder a este inquérito e tentar publicá-lo, para que se torne uma ferramenta que permite que, em Portugal, as pessoas percebam as medidas que podem tomar caso queiram atrair mais graduados a regressar”, sublinhou.

O Fórum GraPE nasceu em 2012, por iniciativa da PAPS (Portuguese American Postgraduate Society) e da Parsuk (Portuguese Association of Students and Researchers in the United Kingdom), às quais se juntaram a Associação dos Graduados Portugueses em França, a Asppa (Associação de Pós-Graduados Portugueses na Alemanha), a APEI-Benelux (Associação Portuguesa de Estudantes e Investigadores na Bélgica, Holanda e Luxemburgo), a Agraps (Associação de Portugueses Graduados na Suíça) e a Spot Nordic (Associação de Portugueses Graduados nos Países Nórdicos).

 

Inscrições disponíveis AQUI.

 

Donativos LusoJornal