Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Entrevista: Neymar acredita na equipa e em Mbappé

LusoJornal / António Borga LusoJornal / António Borga LusoJornal / António Borga

O Paris Saint Germain conta nas suas fileiras com a estrela brasileira Neymar, que contratou no verão de 2017, a troco de 222 milhões de euros, proveniente dos espanhóis do FC Barcelona.

No ano passado, o avançado brasileiro participou no título parisiense e foi até preponderante com 19 golos apontados na Ligue 1, isto quando se sabe que na segunda parte da temporada Neymar esteve lesionado.

Este ano, o ritmo é sensivelmente o mesmo, tendo marcado 8 golos em nove jornadas.

O LusoJornal esteve presente numa conversa entre jornalistas e Neymar, que abordou o Campeonato francês, a Liga dos Campeões e a Seleção brasileira.

 

Como julga o momento da equipa?

Eu acho que temos uma grande equipa, jogadores com qualidade, sabemos os valores que temos no plantel, mas a temporada ainda está no início. Estamos a melhorar a cada dia, a cada jogo, não só na Liga dos Campeões, mas também no Campeonato. Sabemos que é importante estar sempre a vencer em qualquer competição. Estamos a fazer história neste clube. Fizemos história mais uma vez.

 

No último jogo frente ao Lyon foi um golo e várias assistências no triunfo por 5-0…

Fico feliz por estar a ajudar a equipa de alguma forma, e feliz por ter feito uma grande partida. Na segunda parte encontramos o nosso jogo, enquanto na primeira sofremos um pouco. Soubemos controlar o jogo e colocar a nossa qualidade em campo. Fico sempre feliz ajudando a equipa com golos ou com passes decisivos.

 

Podemos dizer que Neymar é o líder técnico da equipa?

Não sou o único líder técnico, claro que não. Eu conheço o meu valor, sei a pressão que está por cima de mim, sei as responsabilidades que tenho, mas nós temos muitos jogadores de qualidade. Cada jogador tem responsabilidades no seu setor. Kylian é um deles. É um líder técnico, é um jogador que o grupo respeita. Cada vez que ele abre a boca para falar de alguma coisa, a gente entende e presta atenção. Não importa se ele tenha apenas 19 anos. É um grupo, a gente sabe a importância de cada um. E Kylian está de parabéns pelo que fez frente ao Lyon. Só lhe vou puxar as orelhas porque ele poderia ter-me consagrado um pouco mais (risos). É brincadeira! Ele é um fenómeno, é um grande craque e espero que ele continue assim por muitos anos que o futebol vai agradecer.

 

Kylian Mbappé é igual a Neymar, com a mesma idade?

Sim vejo algumas semelhanças. Vejo a semelhança da pressão de jogar e de corresponder às expectativas. Por isso eu procuro ajudar sempre o Kylian. É um menino especial por quem tenho um carinho especial. Temos uma amizade muito forte. Fico muito feliz quando ele marca ou quando ele faz uma partida como ele fez frente ao Lyon. Espero poder ajudá-lo a fazer mais partidas assim.

 

O seu filho é fã de Kylian Mbappé?

Ele gosta muito do Mbappé. No treino antes do jogo frente ao Lyon, ele só falava no Kylian, e queria tirar uma foto com ele para enviar para os amigos na escola. Tirou a foto, ficou muito contente, muito feliz.

 

O que trouxe um jogador como Gianluigi Buffon à equipa?

Gigi é um líder nato, é uma lenda. Ele mudou o Paris pela sua forma de viver. Ele chega aos treinos de manhã cedo com alegria, brincando, falando, e claro quando ele fala, eu procuro prestar atenção porque ele tem uma experiência muito grande. É um jogador que é respeitado no mundo inteiro. Estamos felizes de o ter connosco. É fantástico. Estou muito feliz por fazer parte da carreira dele.

 

Na Liga dos Campeões, apesar da derrota na primeira jornada por 2-3 na deslocação ao terreno do Liverpool, na segunda jornada, o PSG arrasou o Estrela Vermelha por 6-1 com três golos de Neymar…

Vou-me lembrar deste jogo com muito carinho. Feliz por ter feito três golos, feliz por ter feito um grande jogo, mas sobretudo o mais importante é ter vencido e toda a equipa ter jogado bem. Por isso tudo estou muito feliz.

 

O PSG mostra que tem condições para fazer alguma coisa na Champions?

Isso já sabíamos antes de começar a Liga dos Campeões. A nossa equipa tem um plantel para fazer alguma coisa na Champions, mas não basta ter nomes, temos de mostrar dentro das quatro linhas o futebol que temos. Ainda estamos no início da prova, ainda há muitos jogos pela frente, e queremos é melhor a cada jogo e a cada treino.

 

Foi a melhor atuação esta época?

Até ao momento acho que sim, foi a melhor atuação tanto para mim como para a equipa. Tivemos muitas ocasiões e arrecadamos uma vitória importante.

 

O seu objetivo é estar a 100% em fevereiro-março, mas já está em boa forma física?

Ainda tenho muito para evoluir, tanto fisicamente que tecnicamente. Falei de fevereiro e de março porque é o momento das finais, dos jogos mais importantes na Liga dos Campeões e no Campeonato francês. É ali onde tem de estar mais preparado. Claro que vai estar mais desgastado, mas mentalmente tem de estar muito mais preparado do que agora. Tem de começar a trabalhar agora a parte física e é o que procuro a cada treino, melhorar e evoluir, para estar a 100% em fevereiro e em março.

 

Está feliz em Paris?

Estou bem tranquilo, bem sossegado. O ano passado tive a minha lesão e acabei ficando muito longe daqui a recuperar e estava focado no Mundial. Estive um pouco afastado daqui, mas regressei muito contente, muito feliz, fui bem recebido pelos adeptos e pelos meus colegas da equipa. A lesão afastou um pouco, mas hoje sinto-me como me sentia no ano passado, tentando melhorar cada dia, procurar a minha felicidade dentro o campo, que é o que mais gosto de fazer.

 

Qual é a sua relação neste momento com a Seleção brasileira?

Estou sempre feliz de defender a Seleção brasileira. Estou sempre feliz de vestir a camisola do meu país. Todos os jogos são importantes com a Seleção, porque todos os jogos da Seleção têm de ser encarados seriamente e temos de vencê-los.

 

O Campeonato francês regressa neste fim de semana. O Paris Saint Germain, líder isolado com 27 pontos em 27 possíveis, recebe o Amiens neste sábado 20 de outubro, pelas 17h00. Recorde-se que os Parisienses contam no plantel com quatro brasileiros: Neymar, Thiago Silva, Marquinhos e Daniel Alves.

 

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 2 Votos
9.4
X