Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Foi mais uma noite com grande pompa e circunstância que o Hôtel de Ville em Paris acolheu no âmbito da 7° edição da gala para celebrar a República Portuguesa e cuja organização foi confiada à associação Cap Magellan.

Numa das mais prestigiosas salas – e iluminada especialmente com as cores portuguesas – cerca de 600 pessoas reuniram-se no sábado ao final da tarde, entre as quais diversas personalidades de horizontes diversos: políticos, artistas, empresários, associações, ou ainda estudantes lusófonos.

Apresentado, como é costume, por Carlos Malato e pela jovem jornalista lusodescendente Sónia Carneiro, foram várias as atuações artísticas que animaram a noite: a Tuna académica de Ciências da Saúde do Norte e Região Tâmega e Sousa, o fadista Ricardo Ribeiro, assim como alguns duetos: João Só & Ana Isabel Freitas, Ricardo Freitas & Ide Monteiro acompanhados por André Alves ou ainda Ala dos Namorados (Nuno Guerreiro e Manuel Paulo) & Lizzie.

Entre as diferentes animações, Hermano Sanches Ruivo, autarca de Paris, chamou ao palco a filha de Eusébio, Sandra da Silva Ferreira para proceder a uma pequena homenagem ao jogador falecido já há 3 anos.

Também para dar um toque mais cómico à cerimónia, a gala contou com a presença de Jonathan da Silva & Tatane e do humorista francês D’jal, conhecido pelo seu humor sobre os Portugueses.

Ao longo da noite foram atribuídos os prémios habituais que permitem destacar diferentes categorias pelo seu talento ou mérito. Para começar foi Valdemar Francisco com os ‘Amis du Plateau’ que arrecadou o prémio «Cap Magellan – Caixa Geral de Depósitos da melhor iniciativa de cidadania».

O restaurante Grilo em Orléans, obteve o «Prémio Cap Magellan – Fidelidade do melhor jovem empreendedor».

Também o jovem estudante Filipe Figueiredo, da HEC Paris, teve a surpresa de subir ao palco para receber o «Prémio Cap Magellan – Banque BCP do melhor estudante», assim como a jovem Charlotte Bonnaffy, do liceu Les Chartreux, em Lyon, com o «Prémio Cap Magellan – Fundação Calouste Gulbenkian do melhor aluno do ensino secundário».

Quanto ao «Prémio Cap Magellan – Macif – Simão de Carvalho do melhor projeto associativo», foi a «Memória Viva» presidida por Ilda Nunes que levou a recompensa.

Finalmente foi Rodrigo de Oliveira que ganhou o «Prémio Cap Magellan – MiKado – Trace Toca da melhor revelação artística musical».

No final os convidados saborearam o cocktail oferecido pela Mairie de Paris e desfrutaram de um pequeno momento para trocar algumas palavras e fotos com as personalidades presentes. A noite de gala tem ganho em notoriedade de ano para ano e tem destacado diferentes personalidades nomeadamente no seio da comunidade.

 

 

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 12 Votos
3.9
X