Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.
Donativos LusoJornal

O Governo português emitiu 128 estatutos de Investidor da Diáspora, aceites entre as centenas de pedidos que chegaram de 26 países, foi hoje divulgado durante uma sessão online sobre o Programa Nacional de Apoio ao Investimento da Diáspora (PNAID).

No âmbito da sessão “PNAID e o Estatuto de Investidor da Diáspora”, que decorreu para “prestar informação sobre o programa e esclarecer as condições e procedimentos para requerer o estatuto”, a responsável do estatuto do investidor da diáspora no Gabinete da Secretária de Estado das Comunidades, Catarina Paiva, revelou os dados mais recentes das candidaturas a este estatuto.

Esta responsável referiu que as candidaturas chegaram de 26 países, incluindo Portugal, as quais deram origem a 128 declarações. “A maioria das candidaturas corretas e declarações tiveram origem na Europa, seguindo-se África e a América do Norte”, adiantou.

A mesma fonte referiu que 77% dos requerentes nasceram em Portugal e que a grande parte dos investidores pretende regressar.

Coordenado pelas Secretárias de Estado das Comunidades Portuguesas e da Valorização do Interior, o PNAID é “um programa nacional de valorização das Comunidades portuguesas, promovendo o investimento da diáspora, em especial no interior do país, bem como as exportações e a internacionalização das empresas nacionais através da diáspora”.

A sessão online de hoje contou com mais de 100 participações e destinou-se às entidades de apoio ao empreendedorismo e investimento em Portugal, associações empresariais e de desenvolvimento local, empresas de consultoria e outras entidades com responsabilidades na informação e apoio às empresas.

Na sessão de abertura, a Secretária de Estado das Comunidades Portuguesas, Berta Nunes, convidou as pessoas que vivem no estrangeiro a investir em Portugal e a incentivar outros a fazê-lo.

Por seu lado, a Secretária de Estado da Valorização do Interior, Isabel Ferreira, enumerou os vários programas de apoio que o Governo disponibiliza para os empresários na diáspora.

A este propósito, anunciou que já foram aprovadas 20 candidaturas de empresários portugueses na diáspora ao programa +CO3SO (Mais Coeso), o qual vai disponibilizar uma verba de 426 milhões de euros, com um impacto estimado de 665 milhões de euros de investimento e a criação direta de cerca de 4.200 postos de trabalho, segundo o executivo.

 

Empresas
X