Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

O duo «Inv3rsus» encontra-se atualmente em promoção do seu último álbum «Dançar Kuduro» editado no mês de abril. À venda nas plataformas digitais e durante os espetáculos, o CD propõe temas ritmados e sensuais.

A dupla formada por Cláudio e Elvira tem percorrido as rádios e televisões portuguesas de forma a divulgar este álbum que mistura Kizomba, Kuduro e Reggaeton e que tem conhecido um sucesso grande este verão.

Foi há 4 anos que o duo se conheceu e começou a namorar. Desde então juntaram o útil ao agradável e decidiram trabalhar juntos no universo da música.

Natural de Cascais, Cláudio dos Santos Pereira demonstrou desde pequeno muito interesse pela música.

Lançou-se nos karaokes, nos arredores de Lisboa. Em 2006 venceu o concurso de karaoke no Barreiro. Participou também no mesmo ano no concurso televisivo na RTP1 e no Festival da Canção da Lagoa.

«Em 2013 decidi vir para França e continuei sempre ligado a esta atividade. Fui animador karaoke e DJ em vários restaurantes, animei casamentos e várias festas até conhecer a Elvira», começou por declarar Cláudio Pereira.

 

Elvira é Albanesa

 

Curiosamente Elvira Raimbaud não é Portuguesa, mas Albanesa.

Nasceu em Tirana em 1979 e veio morar para França em 1998. Porém frequentava os bailes portugueses. «Adoro dançar e foi assim que me familiarizei com a língua portuguesa», explica a cantora.

Mas foi ao visitar Portugal com o seu novo companheiro que a jovem Albanesa optou por aprender a falar português. Hoje sem grandes dificuldades canta bem a língua de Camões e o seu sotaque passa despercebido.

O primeiro trabalho do «Inv3rsus», «Renascimento», foi editado em 2016, no qual se inspiram das suas vidas o que lhes permitiu divulgar mais facilmente o seu trabalho junto do público.

«Um ano depois lançámos um novo álbum, começámos a ter muitas mensagens de apoio e cada vez mais fãs a seguir-nos». «Atrevimento» ou ainda «Eu gosto de ti», são alguns dos temas com mais êxito.

Atualmente em fase de promoção, «Inv3rsus» já tem algumas datas de espetáculos programadas na região parisiense para outubro.

Recentemente, o grupo participou num concerto em Sintra para ajudar as vítimas de Pedrógão Grande.

Quanto a Elvira, confessa que gostava mais tarde de cantar uns temas na sua língua natal. «Espero convencer o Cláudio a aperfeiçoar o albanês», diz a sorrir.

Com efeito, a cantora também havia começado a solo uma carreira artística no seu país. «O meu registo era oriental e completamente diferente do de agora».

Daí o nome do grupo «Inv3rsus» com o ‘E’ ao contrário para confirmar as diferenças musicais de um e do outro.

O duo já está também a pensar no próximo trabalho que deverá sair em 2018.

Segundo o cantor português, a concorrência é tão forte, que não se podem deixar esquecer. «Daí ser necessário estarmos sempre a mostrar o nosos trabalho com diferentes álbuns e mostrar do que somos capazes».

Nos seus espectáculos privilegiam a interação com o público e «transmitir muita alegria». Cláudio está consciente que o caminho não será fácil e mesmo se por enquanto ainda não vive da música, acredita que conseguirá levar o seu sonho o mais longe possível com a ajuda de Elvira.

 

 

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 7 Votos
8.9
X