Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

A saxofonista Sílvia Ribeiro Ferreira mora em Limoges e passou o período de confinamento em casa, a trabalhar em teletrabalho. Todos os concertos que tinha durante este período foram adiados para finais de 2020 e para o próximo ano de 2021.

Foi no Conservatoire à Rayonnement Régional de Limoges que a portuguesa começou a sua formação musical, enveredando depois pelo jazz e pela improvisação musical, ligando por vezes o jazz à música tradicional e aos ares electro.

Neste momento, está a preparar um regresso à “atividade normal” em setembro.

O último álbum de Sílvia Ribeiro Ferreira já saiu em setembro de 2018 e chamava-se “LuZiades”. Agora, durante este período, Sílvia Ribeiro Ferreira confessou ao LusoJornal que está a trabalhar numa nova criação intitulada “Alma Branca”, cuja data de lançamento ainda não foi anunciada.

Para já a artista está preocupada com a situação atual de pandemia. “Esta situação é muito preocupante em relação ao mundo da cultura e artístico”.

Quando tudo isto passar, espera “um mundo mais unido, mais solidário, respeitando o planeta, a natureza e preocupando-se mais com a ecologia”.

 

Cultura
X