Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

“João’s” um novo conceito de “grillades urbaines portugaises” lançado por João Alexandre Ferraria

Donativos LusoJornal

João Alexandre Ferraria criou em Seyne-sur-mer, perto de Toulon, o “João’s”, um novo conceito de “grillades urbaines portugaises”. No próximo mês vai abrir um novo espaço praticamente no centro de Toulon, devem seguir-se Marseille e Nice e o projeto está ainda a começar.

A família Ferraria está fortemente ligada à restauração na região parisiense. João Alexandre chegou há dois anos ao sul da França, identificou um “corner” numa zona nobre da cidade, junto à praia Les Sablettes e decidiu “propor os clássicos das especialidades portuguesas, à volta do churrasco com molho piripiri, mas também um povo grelhado, um bacalhau grelhado, tudo grelhado… com algumas receitas inovadoras para poder agradar ao paladar dos clientes franceses” disse numa entrevista ao LusoJornal.

A inspiração vêm-lhe do avô “que comia, à mão, sardinhas assadas com pão”.

Este é um produto para gente da cidade, mas precisamente Seyne-sur-mer é uma estância balnear, com gente da cidade, mesmo se em ambiente mais relaxante. Era o sítio ideal para testar o conceito. “As pessoas passam, compram e levam para comer até na praia, ou encomendam para comer em casa, ou vêm buscar ou nós entregamos” explica.

 

O extraterrestre português

“Quando cheguei aqui, era visto como um extraterrestre” diz a sorrir. “A Comunidade portuguesa aqui não tem nada a ver com a densidade de Portugueses residentes na região parisiense. É uma Comunidade muito mais espalhada, há muito menos Portugueses e passam bem mais despercebidos, não há associações, praticamente não se sente essa presença portuguesa” conta João Alexandre Ferraria. Então, chegar lá com um conceito português fez com que as pessoas ficassem curiosas e surpreendidas.

“Muitas pessoas diziam que eu não ia conseguir, mas a aposta foi boa, valeu a pena. Temos cada vez mais clientela francesa, mesmo se temos também clientes portugueses que vêm um pouco de toda a região”.

Depois de ter nascido e vivido na região parisiense, João Alexandre Ferraria considera que “no sul da França há uma autoestrada para um conceito de restauração portuguesa de qualidade, porque realmente não há nada e porque estamos numa região onde as pessoas gostam de comer bem, como nós sabemos fazer, com os nossos temperos e os nossos perfumes. Não havia razão nenhuma para que este conceito não funcionasse” diz com convicção, mostrando o frango, leitão, sardinhas, polvo,… tudo apresentado com gosto. Tal como num restaurante gastronómico, “não é por ser um prato popular e barato que tem de ter uma apresentação menos agradável. Nós quisemos sair do habitual, até para sobressair em relação aos concorrentes e para ganhar um lugar na oferta da restauração local. Eu tinha de criar a diferença também com o tipo de apresentação e isso também contribui para o nosso sucesso, temos tudo bem enquadrado, bem profissional, um packaging próprio. As pessoas antes de comer, comem com os olhos e portanto é muito importante o aspeto”.

A pandemia não afetou o trabalho de João Alexandre Ferraria. “Pelo contrário, de certa forma, eu até acho que nos veio favorecer” diz ao LusoJornal. Os clientes habituaram-se a outras formas de consumir, recorreram mais à compra de pratos para comer em casa, nos espaços profissionais e até na rua e na praia. “Durante a pandemia, nós fizemos bastante publicidade aqui na cidade, através das redes sociais, com pequenos vídeos simpáticos e ganhámos muitos clientes”.

 

Preparar o caminho para a franchising

O primeiro restaurante em Seyne-sur-mer abriu em junho de 2019, tem pouco mais de 1 ano, e abriu depois de João Alexandre Ferraria ter passado praticamente um ano de observação, a perceber como funcionava esta cidade com cerca de 60 mil habitantes, que tipo de restaurantes já havia e qual era o lugar ideal para abrir o seu “laboratório”. Entretanto pesquisou receitas que poderiam agradar ao paladar local.

Agora chegou a hora da expansão do conceito. Neste momento estão a decorrer as obras para abertura do novo estabelecimento da “João’s” que deve abrir em janeiro em Toulon, no centro da cidade. “É a maior cidade aqui do Var, perto do mar, numa rua bastante animada, com vários outros restaurantes e bares”.

João Alexandre Ferraria esteve na semana passada em Marseille, onde já visitou um novo espaço, depois talvez Nice, Lyon… e porque não Paris. “Claro que há um lugar para este tipo de conceito em Paris. Até porque Portugal está muito na moda, os Franceses adoram a nossa cozinha e eu penso que o conceito de comida boa e barata funciona em qualquer sítio” diz ao LusoJornal.

“Antes de começar uma rede de franchising, eu tenho que mostrar que o conceito funciona e que é um conceito sério”. João Alexandre Ferraria quer criar 3, 4 ou 5 estabelecimentos antes de propor a marca em franchising.

 

Uma forte ligação a Portugal

Depois de uma formação comercial, João Alexandre Ferraria trabalhou no restaurante dos pais – La Ferme – em Plaisir. “Na prática, foi o meu primeiro laboratório: trabalhar com a gastronomia francesa e para uma clientela francesa, formou-me bastante. Era necessário propor algo de qualidade e sempre com o nosso toque português”.

Depois reabriu, com um primo, o mítico Restaurante Saudade, em Versailles, que era do tio, mas que estava fechado há vários anos. “A clientela estava à espera de um restaurante que fosse inovador, misturando um toque português com a fineza da gastronomia francesa e eu penso que nós conseguimos isso. O projeto teve um sucesso imediato, a clientela de Versailles ficou seduzida”. O Saudade foi considerado um dos melhores restaurantes da cidade.

Os pais de João Alexandre Ferraria vêm da de Alcobaça e a ligação com Portugal está implícita nos projetos do jovem empreendedor. “Sempre que posso vou a Portugal e tento sempre trabalhar com produtos portugueses. Ainda no mês passado estive em Portugal para comprar louça de barro pintada à mão lá da nossa zona. O que eu gosto mais é de procurar estes pequenos pormenores, por exemplo o nosso azeite é da aldeia do meu pai, é de um amigo dele que tem um lagar de azeite. Estas pequenas coisas têm muita importância para mim”.

O projeto de João Alexandre Ferraria ainda está no início. Em Seyne-sur-mer emprega 4 a 5 pessoas no verão, e durante o inverno 2 pessoas chegam, reforçando com mais uma ao fim de semana. “Até porque logo que esteja um pouco de sol, há gente na praia” diz a sorrir. Em Toulon o restaurante é maior, com uma verdadeira sala de restauração e uma esplanada, e projeta empregar 6 pessoas.

 

João’s

87 Place Jean Lurçat

83500 La Seyne-sur-mer

 

 

Empresas
X