Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Jouy-en-Josas: Festa da Solidariedade recolheu fundos para a Misericórdia de Paris

LusoJornal | Mário Cantarinha LusoJornal | Mário Cantarinha LusoJornal | Mário Cantarinha LusoJornal | Mário Cantarinha LusoJornal | Mário Cantarinha LusoJornal | Mário Cantarinha LusoJornal | Mário Cantarinha LusoJornal | Mário Cantarinha LusoJornal | Mário Cantarinha LusoJornal | Mário Cantarinha LusoJornal | Mário Cantarinha LusoJornal | Mário Cantarinha LusoJornal | Mário Cantarinha
Associações

 

A Santa Casa da Misericórdia de Paris organizou este domingo, dia 2 de outubro, no Domaine de la Cour Rolland, em Jouy-en-Josas (78), uma Festa Solidária para recolha de fundos para o funcionamento daquela instituição de solidariedade.

Os participantes foram numerosos e tiveram duas opções, correr ou caminhar. “Eu estou relativamente contente porque houve bastante participação, algumas pessoas na corrida, outras na marcha, eu também fui andar e o ambiente está bom, até a chuva anunciada acabou por não vir” disse a Provedora da Misericórdia de Paris, Ilda Nunes ao LusoJornal.

A Santa Casa da Misericórdia de Paris, instituição que ajuda portugueses com dificuldades e dá apoio psicológico, celebrou 25 anos em 2019. A instituição apoia a Comunidade portuguesa e não só, empenhando-se nas ajudas de primeira necessidade a quem tem mais dificuldades, com a distribuição semanal de alimentos, e atende todos os pedidos que lhe chegam através de uma linha telefónica permanente. Contempla, ainda, a possibilidade de encaminhamento para apoio psicológico e psiquiátrico. Muitas vezes, acolhe Portugueses necessitados que o próprio Consulado português lhes envia.

A corrida foi também um pretexto para conviver. Aliás, o evento deixou de ser uma “Corrida solidária”, como acontecia antes da pandemia, para se transformar numa “Festa solidária”. “Esta é a primeira corrida depois da pandemia. Nós estivemos parados durante 2 anos, como uma grande maioria das estruturas” lamenta Ilda Nunes. Depois do esforço, houve momentos musicais com os cantores Dan Inger dos Santos e Luís Manuel, houve folclore e não faltaram os grelhados.

“Começámos a preparar este evento um pouco tarde porque tínhamos sempre a dúvida de não o podermos realizar por causa de restrições sanitárias. Isto implica sempre alguma despesa e por isso decidimos esperar um pouco mais. É evidente que este evento é para angariar fundos, ora, se os gastos fossem superiores às receitas, então não valia a pena organizar. Mas estamos contentes por termos realizado este evento” afirma Ilda Nunes.

A Provedora aproveitou para anunciar ao LusoJornal a realização das Jornadas Sociais nos dias 18, 19 e 20 de novembro, no Consulado Geral de Portugal em Paris, mas também o Jantar de Gala para recolha de fundos no dia 19 de novembro, na Sala Vasco da Gama, com presença anunciada de várias personalidades.

“Nós trabalhamos para a Comunidade portuguesa que tem dificuldades. Esperamos que aqueles que não têm dificuldades, aqueles que vingaram na vida, possam partilhar um pouco daquilo que receberam, trabalhando muito, eu sei, porque os Portugueses são muito corajosos, mas partilhar um pouco com aqueles que mais precisam é sempre muito bom”.

Durante o período da pandemia, não houve ações de angariação de fundos, embora as operações de angariação de alimentos tivessem funcionado muito bem. Por isso, vai ser necessário desbloquear agora mais fundos. “Todas as pessoas que estão aqui a trabalhar são voluntárias, mas nós necessitamos de muitos mais voluntários para ajudar quem necessita” diz Ilda Nunes, completando imediatamente que “mesmo se somos voluntários, pagámos a nossa inscrição para correr e pagamos os nossos jantares no Jantar de Gala de recolha de fundos”.

 

Donativos LusoJornal
X