Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.
Comunidade

 

 

O Presidente do Conselho Regional das Comunidades Portuguesas na Europa (CRCPE), Pedro Rupio, alertou ontem para muitos emigrantes que ainda não receberam o boletim para votar, apesar dos votos via postal terem de chegar a Portugal ao até dia 23 de março.

Pedro Rupio falava à Lusa à margem da reunião do CRCPE, que decorreu ontem e joje no Ministério dos Negócios Estrangeiros, em Lisboa.

Pedro Rupio manifestou-se preocupado por ainda existirem emigrantes sem boletim de voto, pois considera que estes deveriam ter chegado nos primeiros dias de março. “Sabemos que os boletins de voto começaram a chegar à casa das pessoas na semana passada, mas hoje ainda há muitas pessoas que não receberam o boletim de voto. Sabendo que estes têm de chegar a Lisboa até 23 de março, deixa uma margem cada vez mais pequena para as pessoas poderem participar”, disse.

E acrescentou: “Isso poderá ter um impacto negativo na participação das Comunidades portuguesas na Europa”.

Os eleitores que não tenham ainda recebido a carta com a documentação “devem confirmar se esta se encontra nos correios locais ou localizá-la, acompanhando o respetivo percurso, através do portal euEleitor” diz um comunicado conjunto do Ministério dos Negócios Estrangeiros e do Ministério da Administração Interna. “Se não conseguirem identificar o número de registo da carta de envio, este portal indica o número de telefone e o endereço de email através dos quais podem contactar a Administração Eleitoral da Secretaria-Geral do Ministério da Administração Interna (email: adm.eleitoral@sg.mai.gov.pt ; telefone: +351.213.947.101).

A votação para as legislativas de 30 de janeiro vai ser repetida presencialmente no sábado e domingo, e por via postal através de boletins que têm de chegar a Portugal até dia 23 de março.

Segundo Pedro Rupio, o processo mereceu grande atenção por parte da comunicação social em Portugal e na diáspora, mas agora, devido ao novo contexto resultante da guerra na Ucrânia passou a ser pouco falado. “Isso desmobiliza os eleitores e aqueles que estão efetivamente interessados e querem participar, se não receberem o boletim de voto a tempo, vai criar grandes dificuldades para haver pelo menos uma tão boa participação como a que tivemos em janeiro, com mais de um quarto de milhão de votantes”, adiantou.

A documentação eleitoral enviada para as moradas dos eleitores recenseados no círculo da Europa que votam por via postal inclui um folheto com instruções sobre o processo de votação, o boletim de voto, um envelope verde e um envelope de retorno branco com indicação de porte pago.

“Os eleitores deverão colocar o boletim de voto dentro do envelope verde. Em seguida, devem inserir o envelope verde e uma cópia do documento de identificação no envelope branco. O envelope branco deve ser depositado no correio. Importa sublinhar que só serão considerados válidos os votos que sejam acompanhados por cópia de um documento de identificação: essa cópia deve ser colocada dentro do envelope branco mas fora do envelope verde – o qual deve conter apenas o boletim de voto” diz o comunicado do Governo enviado ao LusoJornal.

Nos dias 12 e 13 de março, sábado e domingo, decorre o voto presencial nos Consulados de Portugal em França, entre as 8h00 e as 19h00, hora local. Mas apenas podem votar deste modo os eleitores recenseados neste círculo que, até 5 de dezembro de 2021, manifestaram a intenção de votar presencialmente.

 

Donativos LusoJornal
X