Lusa | José Sena Goulão

Legislativas’22: Jorge Arroteia diz que aumento da participação dos emigrantes resulta da nova geração

Comunidade

 

 

O especialista em emigração Jorge Arroteia defendeu ontem que o aumento da participação eleitoral das Comunidades nas Legislativas se deveu à nova geração de emigrantes e não a qualquer esforço de mobilização das autoridades ou dos partidos.

“Embora não seja possível de imediato fazer uma associação entre a população que votou e o estrato etário desta mesma população, eu inclino-me para já para que isso tenha justamente a ver com a participação de uma emigração mais jovem, mais participativa, mais interessada nos destinos da sua terra, do seu país”, disse o professor catedrático da Universidade de Aveiro em declarações à Lusa.

Os votos dos círculos da emigração revelam um aumento da participação, de 12,05% nas legislativas de 2019 para 20,67% este ano no círculo da Europa e de 8,81% para 10,86% no círculo Fora da Europa.

Em números absolutos, o número total de eleitores passou de 158.252 em 2019 para 257.791 em 2022, o que representa um aumento de 62%.

Para Jorge Arroteia, estes números resultam dos “fluxos migratórios mais recentes (…) que têm sido fundamentalmente constituídos por emigrantes mais novos, a chamada nova geração de emigrantes, com maior experiência política, com maior participação cultural, com maior participação associativa, como maior envolvimento cívico”.

“Há 50 anos, até aos anos 70, nós tínhamos uma emigração adulta. A partir do momento em que os enfermeiros começaram a emigrar para a Suíça, para França, é uma emigração muito mais jovem. (…) Nos anos 70 tínhamos analfabetos. Hoje temos diplomados, licenciados, mestres, doutores”, exemplificou.

Questionado sobre os alegados esforços de mobilização eleitoral por parte de partidos e autoridades, o especialista defende que “esse é o discurso oficial, o discurso político e de proximidade, mas na prática (…) há um distanciamento muito grande” entre os emigrantes e o país.

“A emigração continua a ser um estandarte que em determinados momentos se levanta e acena, mas depois os mecanismos de integração e articulação não funcionam”, disse Jorge Arroteia, sublinhando que os agentes da administração pública e política “não têm tido a devida atenção com a população emigrante”.

Sobre a anulação de 80% dos votos dos emigrantes do círculo da Europa devido a um protesto do PSD, o especialista disse: “Há alguém que não fez o trabalho de casa. E não foi a população emigrante, que quis participar e quis votar”.

“São 150 mil votos, são 150 mil emigrantes que ficaram de fora, que reclamam o seu direito de cidadania”, lamentou.

 

Donativos LusoJornal