Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.
Desporto

 

O Treinador do Benfica disse ontem que o encontro frente ao Paris Saint-Germain, esta quarta-feira, é uma oportunidade para melhorar a situação da equipa no grupo H da Liga dos Campeões de futebol, por ser disputado na Luz.

Roger Schmidt lembrou, em conferência de imprensa no Seixal, que os ‘encarnados’ somaram “duas vitórias nos dois primeiros jogos” e que, por isso, mantêm intactas as suas possibilidades de “qualificação para a fase a eliminar”, repetindo a ideia de que “jogar em casa, numa fase de grupos, é sempre uma boa oportunidade para melhorar a posição”.

“Como disse no início, sempre que jogas em casa e já ganhaste um jogo fora, é uma grande oportunidade para melhorar a situação no grupo e esse é o nosso foco. Usar cada jogo para mostrar que podemos jogar também após o Natal na Liga dos Campeões. É o nosso grande objetivo”, insistiu o alemão.

O Benfica defronta, no entanto, “uma das melhores equipas do mundo” e, por isso, Schmidt acredita que não precisa de motivar os jogadores, pois eles estão “motivados por si mesmos”, mas lembrou que “a motivação por si só não chega”.

“Acho que têm um espaço extra para motivação e temos de usar esta parte extra para estar taticamente ao melhor nível, para estarmos sempre prontos para influenciar o jogo de forma positiva, usar este extra de qualidade para fazer um jogo de topo taticamente. A motivação, por si só, não é suficiente. Precisamos de tudo amanhã [quarta-feira]”, assumiu.

E, por “tudo”, Schmidt entende “um conjunto completo” das “armas técnicas” da equipa, para desafiar o Paris Saint-Germain “na defesa, mas também no ataque e no meio campo”.

O técnico assumiu que “é sempre preciso fazer ajustes em função do adversário, especialmente quando se joga contra uma equipa com tanta qualidade individual na frente”, mas frisou que “a chave não será ter mais jogadores na defesa”, mas sim “fazer um bom jogo taticamente” e “reduzir as situações de um para um com muito espaço” ao adversário.

“Defendê-los em um para um é muito difícil, por isso, temos de ser muito bons no nosso equilíbrio tático. Precisamos de apoio, de ter jogadores perto da bola para nos ajudarmos uns aos outros. Essa é a chave. Temos de ajudar-nos, mas também de acreditar em nós mesmos”, apontou o técnico dos ‘encarnados’.

Antes de Schmidt, também Enzo Pérez foi taxativo a afirmar que a “concentração” e a crença nas qualidades da sua própria equipa são a chave para levar de vencida um adversário como o Paris Saint-Germain.

“Concentração. Acho que a concentração é o principal. A atitude, a vontade, acreditar em nós, na equipa que temos e nos companheiros. Formámos um grupo espetacular, há uma energia positiva muito boa. Faremos todos os possíveis para conseguir o resultado que queremos, que é ganhar”, afirmou o médio argentino.

O Benfica recebe o Paris Saint-Germain esta quarta-feira, em encontro da terceira jornada da fase de grupos da Liga dos Campeões, com início marcado para as 21h00 (hora francesa), no Estádio da Luz, em Lisboa, e arbitragem do espanhol Jesús Gil Manzano.

A equipa orientada por Roger Schmidt segue no segundo lugar do grupo H da competição com seis pontos, os mesmos que os franceses, após vencer o Maccabi Haifa (2-0) em casa e a Juventus (2-1) em Turim, enquanto os parisienses venceram os italianos (2-1) em casa e os israelitas (3-1) fora.

 

Donativos LusoJornal

 

X