Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.
Desporto

 

 

O FC Porto quebrou uma série invencível que durava há 18 jogos consecutivos, ao ser, hoje, derrotado pelos franceses do Lyon, por 1-0, em jogo da primeira mão dos oitavos de final da Liga Europa de futebol.

Lucas Paquetá, aos 59 minutos, apontou o golo que fez a diferença num desafio globalmente equilibrado, mas onde a eficácia dos gauleses permitiu-lhes manter uma toada invicta na competição, que dura agora há sete jogos.

As duas equipas forçaram um ritmo forte na entrada do jogo, e logo no quarto de hora inicial criaram boas chances para inaugurar o marcador, com o Lyon a ameaçar primeiro, em remates de Dubois e Dembélé, que testaram a atenção do guarda-redes portista Diogo Costa.

Os ‘dragões’ – que surgiram com uma alteração no ‘onze’, em relação ao último jogo da I Liga, com o Paços de Ferreira, com Wendell a dar lugar a Zaidu – não se intimidaram, e logo seguida também rondaram o golo inaugural, em dois tiros de Vitinha e Uribe, que fizeram a equipa despertar e querer assumir o controlo do desafio.

Nesta fase inicial, os ‘azuis e brancos’ mostravam-se mais afoitos nas saídas para o contra-ataque, e desenhando rápidas transições causavam desequilíbrios na defesa dos gauleses, com Pepê, num par de ocasiões, a obrigar o guardião internacional português Anthony Lopes a aplicar-se para manter a baliza invicta.

Ao crescimento do FC Porto, o Lyon respondeu com mais pressão no seu meio-campo, que, paulatinamente, foi quebrando as investidas da equipa portuguesa, e recentrando o perigo junto à baliza de Diogo Costa.

O jovem guarda-redes portista mostrou-se decisivo, ainda antes do intervalo, quando, no mesmo lance, se opôs a um remate de Demebélé, e a uma recarga de Ekambi, segurando o ‘nulo’ que durou até ao tempo de descanso.

Os ‘dragões’, que nos seus jogos europeus desta época nunca conseguiram chegar ao intervalo em vantagem, surgiram no reatamento com o estreante Rúben Semedo no lugar de Pepe, no eixo da defesa, e logo nos minutos iniciais quiseram marcar posição, com um remate perigoso de Taremi.

O Lyon respondeu à altura e também se quis impor com um par de tiros de Dembélé, que saíram muito perto da baliza portista, que acabaram por ser o prenúncio do golo do golo inaugural, já aos 59 minutos.

Num contra-ataque desenhado por Ekambi e Dembélé, que a defesa dos ‘dragões’ sentiu dificuldades em travar, a bola sobrou para o brasileiro Lucas Paquetá, que desviou para o golo, e apesar do árbitro assistente ter invalidado o lance, por fora de jogo, o videoárbitro (VAR) confirmou o tento.

Quatro minutos depois, decisão polémica na área do Lyon, com a bola embater no braço de Lucas Paquetá e o árbitro espanhol José María Sánchez a assinalar grande penalidade, mas, novamente com recurso ao VAR, a reverter a decisão, por considerar que a bola terá ressaltado da perna para o braço do brasileiro da equipa francesa.

Os comandados de Sérgio Conceição, que esta época tinham marcado golos em todos os jogos realizados no Estádio do Dragão, tentaram manter essa toada, e num remate de Vitinha e numa perdida incrível de Galeno, ficaram perto de resgatar a igualdade.

Os adeptos ainda chegaram a festejar, já em período de descontos, quando Mbemba introduziu a bola na baliza do Lyon, mas o lance seria invalidado, pela análise do VAR, por fora de jogo do defesa portista, mantendo a vantagem do Lyon até ao final.

Os ‘dragões’ terão oportunidade para corrigir esta derrota por 1-0, no jogo da segunda mão, em França, que se realiza em 17 de março.

 

 

Sérgio Conceição (Treinador do FC Porto)

“Foi um jogo equilibrado, onde tivemos quatro ou cinco oportunidades, o Lyon três ou quatro. Foi eficaz, fez golo num lance que parecia inofensivo. Tivemos oportunidades para fazer, também. E fizemos. Um penálti revertido, um golo anulado. Mas não é por aí.

No que foi a partida, não fomos tão pressionantes. Inicialmente, abordámos o jogo de forma ligeiramente diferente do habitual. Recuperação de bola um bocadinho mais baixa do que é normal. Notou-se os dois dias a mais de descanso que o adversário teve. É um facto, não é uma desculpa.

Estamos a meio, será diferente na segunda mão.

Foi um jogo equilibrado contra uma equipa de qualidade. Não vou muito em cantigas, a olhar só para a tabela da Liga francesa, não tem a ver com a qualidade desta equipa. Tem algumas fragilidades e podíamos ter explorado mais e melhor.

Os jogadores tentaram ao máximo, nada a dizer. O resultado justo seria o empate”.

 

Vitinha (jogador do FC Porto)

“Com oportunidades para um lado e para o outro, concentramo-nos em nós. Sabemos que criámos o máximo de oportunidades possíveis, achámos que criámos o suficiente por outro resultado. Infelizmente, não conseguimos isso, com um penálti anulado pelo VAR e um golo anulado.

Há uma segunda mão para resolver a eliminatória. Temos muitos argumentos para nos batermos com eles e ganhar.

O cansaço existe, não vamos negar, mas não o vamos usar como desculpa, é o custo de estar em todas as competições e trabalharmos para ganhar.

No tempo que temos, temos de fazer o máximo para recuperar bem”.

 

Galeno (jogador do FC Porto)

“A gente sabia das dificuldades que íamos encontrar. Entrámos bem no jogo, acabou por ser bem equilibrado. Agora é descansar, porque isto ainda não acabou.

[Sobre uma oportunidade que teve no fim] A bola veio muito rápido, não estava à espera que chegasse. Infelizmente, foi para fora.

Nunca desistimos, em todos os jogos. Lá não será diferente. Vamos tentar sair de lá com a vitória e apurados para a próxima fase.

[Sobre o penálti que o videoárbitro anulou] Não vi muito bem, mas acho que toca no pé dele primeiro. Não sei os critérios. Este jogo já era, temos de descansar e em França fazer diferente”.

 

Anthony Lopes (jogador do Lyon)

“Foi um jogo muito bom para nós. Ganhar aqui é muito complicado. Foi uma boa partida da nossa parte, num jogo complicado, o FC Porto é uma equipa muito grande. Esta é só a primeira parte, temos de ganhar no segundo jogo.

Para mim, temos agora uma vantagem pequena. Sem os golos fora contarem, vai ser um jogo muito importante para as duas equipas e temos de ganhar na nossa casa.

[É especial jogar em Portugal?] Claro. Tenho a camisola do Lyon e os dois próximos jogos no Dragão serão por Portugal. Temos de vencer para ir ao Mundial2022.

Toda a gente sabe que [Diogo Costa, guarda-redes do FC Porto] é o futuro da nossa Seleção. Foi um bom jogo para ele. Espero que seja mais difícil no próximo contra nós.

 

Donativos LusoJornal

 

X