Linda de Suza morreu esta manhã

Cultura

 

A cantora Linda de Suza morreu esta manhã, às 10h10, no Hospital de Gisors onde deu entrada ainda de madrugada por insuficiência respiratória e positiva à Covid-19.

Com 74 anos de idade, Teolinda Joaquina de Sousa Lança esteve internada recentemente num hospital dos arredores de Paris e a imprensa francesa dizia que apresentava “distúrbios psicológicos graves” e que evocava “um combate entre as forças do bem e do mal”, mas o agente artístico da cantora, Fabien Lecoeuvre, indignou-se contra uma “certa imprensa” confirmando apenas que “o seu estado de saúde sofreu de alguma febre”.

Mais recentemente, o filho, João Lança, confirmou ao LusoJornal que a mãe já não estava hospitalizada, mas estava numa casa de repouso, em convalescença. João Lança confirmou que Linda de Suza teve uma anemia e perdeu muito peso, mas disse que “já está a alimentar-se melhor, está a recuperar bem”, acrescentando contudo que “não vou dizer que está muito bem, seria mentir, mas está a recuperar”.

Esta manhã, não resistiu e faleceu no hospital.

Teolinda de Sousa Lança nasceu em Beringel, Beja, no dia 22 de fevereiro de 1948 e emigrou para França em 1969. Oito anos depois gravou um primeiro single intitulado “Un Portugais”.

Começou por ser empregada doméstica, trabalhou na limpeza de hotéis, mas apenas 5 anos depois de ter chegado a Paris encontrou um produtor que lhe lançou o primeiro sucesso “Le Portugais” (1978), um disco vendido em mais de 250.000 exemplares. Seguiram-se “Uma moça chorava”, “Tiroli-tirola” (com mais de 500.000 discos vendidos), “Un enfant peut faire chanter le monde”, “Toi mon amour caché”, “Chuvinha” e muitos outros…

Apenas 10 anos depois de ter emigrado, foi, pela primeira vez, cabeça de cartaz no Olympia de Paris, no dia 20 de janeiro de 1983, inicialmente para duas noites, acabou por ficar 15 dias na mítica sala onde, antes dela, tinha cantado Amália Rodrigues.

Em 1984, a autobiografia que escreveu “La Valise en Carton” foi vendida em mais de dois milhões de exemplares. Um livro que conta o passado da cantora, a vida que teve em Portugal, a passagem a salto com o filho e depois o início da sua carreira. Michel Lafont contou ao LusoJornal que este livro lhe “salvou” a empresa.

Dois anos depois de ser lançado, o livro deu origem a uma comédia musical e mais dois anos depois foi adaptado para televisão numa série de 6 episódios.

Depois surgiram, na praça pública, os conflitos com a mãe e com o filho Janot, que entretanto se mudou para Portugal. Linda de Suza anunciou que estava ruinada, que aqueles que produziram e geriram a carreira dela a tinham “roubado” e acusou mesmo de usurpação de identidade.

Nos anos 80, Linda de Suza era uma “habituée” dos estúdios de televisão, sendo convidada regular dos programas mais importantes do audiovisual francês. Mas depois de alguns anos mais difíceis, nos anos 2000 tentou regressar aos palcos e à televisão, mas sem o mesmo sucesso que tinha tido pelo passado. Ainda participou na digressão “Âge Tendre” e no cruzeiro com o mesmo nome, e na digressão “Tour au Portugal” com Pedro Alves e Mara Pedro.

Há cerca de duas semanas foram vendidas em leilão alguns dos vestidos da cantora que levou Portugal para a cena musical portuguesa.

 

Donativos LusoJornal