Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Misericórdia de Paris celebrou 25 anos e pede mais empenho à Comunidade

LusoJornal / Alfredo Lima LusoJornal / Alfredo Lima LusoJornal / Alfredo Lima LusoJornal / Alfredo Lima LusoJornal / Alfredo Lima LusoJornal / Alfredo Lima

A Santa Casa da Misericórdia de Paris, instituição na capital francesa que ajuda portugueses com dificuldades e dá apoio psicológico, celebrou 25 anos na quinta-feira da semana passada e pede mais empenho à Comunidade.

“Ajudamos muita gente, quer seja a encontrar um emprego, a tirar pessoas de situações de precariedade, damos todo o apoio necessário para as crianças. Ocupamos um espaço que o Estado não é capaz”, afirmou o Provedor da Santa Casa da Misericórdia de Paris, António Fernandes, em declarações à Lusa.

A instituição apoia a Comunidade portuguesa e não só, empenhando-se nas ajudas de primeira necessidade a quem tem mais dificuldades, com a distribuição semanal de alimentos, e atende todos os pedidos que lhe chegam através de uma linha telefónica permanente. Contempla, ainda, a possibilidade de encaminhamento para apoio psicológico e psiquiátrico.

António Fernandes está em França desde os anos 70 e diz deparar-se todos os dias com situações de carência, nomeadamente no que diz respeito aos idosos que “não prepararam a reforma”. O responsável da Misericórdia de Paris nota, também, “muita” vergonha na Comunidade para pedir ajuda e falta de participação para ajudar mais. “Quer a Comunidade queira aderir ou não, a Santa Casa terá sempre o cuidado de ajudar todos aqueles que precisam sem olhar a quem bate à porta”, garantiu o Provedor.

Apesar de a Comunidade portuguesa em França ser superior a 1,5 milhões de pessoas, a Santa Casa da Misericórdia de Paris conta apenas com cerca de 300 aderentes (que se revezam como voluntários no apoio às pessoas que pedem ajuda), um número aquém do desejado. “Aderir à Santa Casa da Misericórdia são apenas 25 euros e já nem é pelo dinheiro. Gostava de ter 1.000, 4.000 aderentes que viessem à mesa dar ideias e ajudar. Precisamos de pessoas que venham debater”, declarou António Fernandes, desiludido com a falta de interesse no trabalho da instituição.

No entanto, e sem ajudas públicas, exceto financiamento do Consulado-Geral de Portugal em Paris, a maior parte dos apoios surge da Comunidade, muitas vezes através de estabelecimentos como restaurantes ou pequenos supermercados que ajudam a instituição a organizar alguns eventos de angariação de fundos.

Para assinalar os 25 anos, a Santa Casa da Misericórdia de Paris preparou uma celebração no domingo, que incluiu uma missa no Santuário de Nossa Senhora de Fátima, na capital francesa, presidida pelo padre José Manuel Pereira de Almeida, em representação dos Bispos portugueses, seguida de um almoço e das IX Jornadas Sociais, nas quais se debateu as prioridades e o futuro da instituição.

A Misericórdia de Paris prepara ainda um livro sobre a sua história que deverá ser lançado no início de novembro.

 

LusoJornal Artigos

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 5 Votos
9.1
X