Lusa | José Sena Goulão

Mundial2022: A noite mágica que Gonçalo Ramos nunca vai esquecer

Desporto

 

Gonçalo Ramos tornou-se ontem o quarto jogador português a marcar, pelo menos, três golos num jogo da Seleção portuguesa de futebol em Mundiais, ‘replicando’ Eusébio, Pauleta e Cristiano Ronaldo, ao lograr um ‘hat-trick’ na goleada à Suíça (6-1).

No último encontro dos ‘oitavos’ do Mundial2022, o avançado do Benfica, que substituiu no ‘onze’ Cristiano Ronaldo, inaugurou o marcador, aos 17 minutos, apontou o terceiro tento luso, aos 51, e ainda o quinto, aos 67, depois de ter oferecido o quarto a Raphaël Guerreiro, aos 55 minutos.

Gonçalo Ramos, que foi substituído aos 73 minutos, só não conseguiu igualar o feito de Eusébio, que, em 1966, nos quartos de final, logrou um ‘póquer’ face à Coreia do Norte, virando, ‘sozinho’, o resultado de 0-3 para 4-3. Acabou 5-3.

Pela Seleção lusa em Mundiais, tinham logrado ‘hat-tricks’ Pauleta, no 4-0 à Polónia, em 2002, e Cristiano Ronaldo, no 3-3 com a Espanha, em 2018.

Gonçalo Ramos, que só tinha jogado dois minutos no primeiro jogo (3-2 ao Gana) e oito no segundo (2-0 ao Uruguai), acrescidos de descontos, conta agora quatro golos na Seleção ‘AA’, em apenas quatro jogos.

O avançado ‘encarnado’, de 21 anos, estreou-se na Seleção lusa no único jogo de preparação para o Mundial de 2022, tendo marcado o terceiro golo numa goleada por 4-0 face à Nigéria, em Alvalade, em 17 de novembro.

Após o primeiro tento de Gonçalo Ramos, Pepe marcou o segundo, aos 33 minutos, replicando o que tinha conseguido no Mundial de 2018, também nos ‘oitavos’, então num golo que nada valeu, uma vez que Portugal perdeu por 2-1 com o Uruguai, vencedor graças a um ‘bis’ de Edinson Cavani.

O central luso não é, ainda assim, o mais velho a marcar em Mundiais, numa lista liderada pelo camaronês Roger Milla, que o fez com 42 anos, um mês e oito dias. Pepe é o segundo da lista, com 39 anos, nove meses e 10 dias.

Pepe conta agora oito golos pela seleção portuguesa de futebol, em 131 encontros.

Aos 55 minutos, Raphaël Guerreiro somou o quarto golo luso e estreou-se a marcar em Mundiais, passando a contar quatro golos por Portugal, em 60 encontros.

Sobre o final, aos 90+2 minutos, Rafael Leão colocou a ‘cereja em cima do bolo’, com o sexto golo luso e o seu segundo no Qatar – os dois que tem por Portugal, em 14 jogos -, depois de ter marcado no 3-2 ao Gana.

 

Portugal 6-1 Suíça

Ao intervalo: 2-0

Estádio de Lusail, no Qatar

Árbitro: César Ramos (México)

Ação disciplinar: cartão amarelo para Schär (43 min) e Cömert (59 min).

Assistência: 83.720 espetadores

Marcadores: Gonçalo Ramos (17, 51 e 67 min), Pepe (33 min), Raphaël Guerreiro (55 min) e Rafael Leão (90+2 min) para Portugal. Akanji (58 min) para a Suíça)

Portugal: Diogo Costa, Diogo Dalot, Pepe, Rúben Dias, Raphaël Guerreiro, William Carvalho, Otávio (Vitinha, 74 min), Bruno Fernandes (Rafael Leão, 87 min), Bernardo Silva (Rúben Neves, 81 min), João Félix (Cristiano Ronaldo, 73 min) e Gonçalo Ramos (Ricardo Horta, 73 min). Outros suplentes: Rui Patrício, José Sá, João Cancelo, António Silva, Palhinha, Matheus Nunes, João Mário e André Silva. Selecionador: Fernando Santos

Suíça: Sommer, Edimilson Fernandes, Akanji, Schär (Cömert, 46 min), Ricardo Rodríguez, Freuler (Freuler, 54 min), Sow (Seferovic, 54 min), Xhaka, Shaqiri, Vargas (Okafor, 66 min) e Embolo (Jashari, 89 min). Outros suplentes: Omlin, Kobel, Köhn, Elvedi, Zakaria, Steffen, Aebischer, Fassnacht, Fabian Frei e Rieder). Selecionador: Murat Yakin

 

Declarações

 

Fernando Santos

Selecionador de Portugal:

“Foi uma boa exibição, um grande jogo. Os jogadores estão de parabéns, foi uma exibição muito boa em todos os momentos do jogo. Agora, é preciso ‘baixar à terra’. Foi ótimo, excelente, mas faltam três jogos e temos de jogar daqui a quatro dias.

[Sobre Cristiano Ronaldo no banco] Foi estratégia de jogo. Todos os jogadores são diferentes. Também lancei o Diogo Dalot e o Raphael Guerreiro, e o João Cancelo é um jogador fabuloso. Tem a ver com o que pensei da dinâmica do jogo com a Suíça.

Não há nenhum problema entre o Fernando Santos e o ‘Capitão’ da Seleção nacional. Somos amigos há muitos anos e isto não nos afeta. A situação está sanada e ele deu um grande exemplo de um ‘Capitão’.

Agora, é com Marrocos. O que me lembro é da dificuldade que tivemos com Marrocos no Mundial de 2018”.

 

Pepe

Jogador de Portugal e autor de um golo:

“Ainda não vi o lance [do golo]. São coisas do momento, que se sente dentro de campo. Tínhamos trabalhado a saída curta, mas no primeiro canto que íamos ter no jogo íamos bater logo direto. Tivemos sorte, de estar no sítio certo. Foi um trabalho coletivo que resultou bem.

O Cristiano Ronaldo sabe perfeitamente que o mais importante é o ‘nós’. Foi opção do Treinador e temos de respeitar a decisão do nosso ‘Mister’.

No futebol, hoje em dia, não basta só ter qualidade, há que trabalhar muito. Temos de descansar e aproveitar as horas de descanso que temos. Vai ser outra batalha [com Marrocos] e queremos poder dar mais alegrias ao nosso povo.”

 

João Félix

Jogador de Portugal:

“Foi um grande jogo de toda a equipa. Entrámos logo bem, a jogar olhos nos olhos com o adversário. Impusemos o nosso futebol e dominámos por completo. Quando assim é, é difícil ganharem-nos.

A partir de amanhã [quarta-feira], vamos analisar a equipa de Marrocos e ver onde são mais fortes e mais fracos.

Estando ou não o Cristiano Ronaldo, o importante é a equipa. Sabemos que o Cristiano é o Cristiano e ajuda sempre a equipa quando tem de ajudar. Desta vez, o ‘Mister’ escolheu não o meter e ele é que manda. Quando ele está, a equipa também joga bem. Vimos com naturalidade a escolha do ‘Mister’”.

 

Haris Seferovic

Jogador da Suíça:

“Portugal foi claramente melhor do que nós durante os 90 minutos. Não começámos como queríamos, deixámos Portugal jogar e sabíamos que, se Portugal joga, era difícil para nós. No final, marcaram seis golos e nós um.

Conheço o Gonçalo Ramos já de há muito tempo e estou feliz por ele. Agora, desejo o melhor para ele e para Portugal.

Espero que Portugal chegue até à final. Sou adepto de Portugal agora e acho que pode ganhar.

Não está nos meus planos [regressar ao Benfica]. O Benfica está a jogar muito bem, mas quero jogar e isso é o mais importante. Foram cinco anos maravilhosos, nunca vou dizer que não, mas acho que não, vou para uma parte onde vá jogar”.

 

Donativos LusoJornal