Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Nathalie Afonso expôs aguarelas de trajes tradicionais portugueses e editou “livro único”

LusoJornal | Mário Cantarinha LusoJornal | Mário Cantarinha LusoJornal | Mário Cantarinha LusoJornal | Mário Cantarinha LusoJornal | Mário Cantarinha LusoJornal | Mário Cantarinha LusoJornal | Mário Cantarinha LusoJornal | Mário Cantarinha LusoJornal | Mário Cantarinha LusoJornal | Mário Cantarinha LusoJornal | Mário Cantarinha LusoJornal | Mário Cantarinha LusoJornal | Mário Cantarinha LusoJornal | Mário Cantarinha LusoJornal | Mário Cantarinha
Cultura

 

Uma exposição de Nathalie Afonso intitulada “Lusitânia”, foi inaugurada na quinta-feira da semana passada, na Mairie de Paris 7, na presença de várias personalidades portuguesas e francesas, e pela mesma ocasião foi apresentado ao público um livro de arte, com edição limitada, com reproduções das obras apresentadas na exposição, e intitulado “Du Nord au Sud, Portugal mon amour”.

“A ideia inicial era de fazer uma exposição no Consulado Geral de Portugal em Paris, e queria que fosse um evento o mais abrangente possível para a Comunidade portuguesa. Com o meu amigo Joaquim Barros, achámos que o tema mais federador podia ser o dos trajes tradicionais portugueses” explicou Nathalie Afonso em declarações ao LusoJornal.

Cerca de 200 pessoas estiveram presentes na inauguração da exposição, entre as quais a Maire-Adjointe de Paris 7 Josiane Gaude, em representação da Maire Rachida Dati, o Cônsul-Geral-Adjunto de Portugal Filipe Ortigão, o Deputado Paulo Pisco e a Conselheira municipal Fernanda Novo, entre outros convidados.

No seu discurso, Paulo Pisco elogiou o trabalho da artista lusodescendente e diz-se “honrado” por ter sido convidado para escrever o prefácio. “Eu admiro muito a Nathalie Afonso por tudo o que ela faz, por toda a plasticidade do trabalho que ela faz, mas também a aquarela, o óleo, a escultura e pela sua vida em geral” disse o Deputado eleito pelo círculo eleitoral da emigração na Europa. “Para além de ser uma grande artista, é alguém que é muito generosa, muito humana e leva com ela os valores do humanismo do universalismo que são valores que nós consolidámos ao longo dos séculos com os navegadores e com a emigração portuguesa para todo o mundo”.

A exposição está patente ao público até esta quarta-feira, 23 de novembro, com trajes de todo o país, realizada à cadência de uma aguarela por dia, feitas ao pequeno-almoço, respondendo ao desafio de Joaquim Barros. Trata-se de uma exposição inteiramente dedicada às tradições portuguesas, mas com um toque de modernidade.

O livro reúne o conjunto das aguarelas, e foi editado com o apoio de alguns empresários portugueses da região de Paris, num desafio também ele lançado por Joaquim Barros. “É uma autêntica obra de arte” confirma Paulo Pisco, numa edição limitada de 750 exemplares, cozido à mão, com a cumplicidade do fotógrafo Vítor Roriz, de Viana do Castelo, também presente no evento, e do grafista Rui Carvalho, diplomado da Escola de Belas Artes do Porto.

Elogiando a obra, Paulo Pisco diz que se trata de “uma viagem pela cultura popular portuguesa, no mundo rural, mas também nas cidades. Uma viagem pelas tradições que estão em vias de extinção, um catálogo que fixa a Memória das tradições portuguesas”.

O Deputado português falou da “graciosidade” com que Nathalie Afonso fez este livro e diz que não encontrou mais nenhum livro no mercado, de aguarelas, com os trajes de norte a sul de Portugal. “É pois um livro único” disse.

A inauguração acabou na “Salle des Mariages” da Mairie de Paris 7, com um momento musical, animado pela fadista Tereza Carvalho e pelo cantautor Dan Inger dos Santos.

A artista dedicou o livro a quem o comprou e a cerimónia acabou com um cocktail e com muitas flores.

 

Donativos LusoJornal
X