LusoJornal | Sylvie das Dores

Obras de Vieira da Silva continuam em exposição no Museu de Belas Artes de Dijon até abril

Cultura

 

O Museu de Belas Artes de Dijon, em França, tem patente até abril de 2023, uma exposição com obras de Maria Helena Vieira da Silva, intitulada “No olho do labirinto”.

Realizada por ocasião do 30º aniversário da morte de Maria Helena Vieira da Silva (1908-1992), esta retrospetiva reúne quase oitenta obras da artista e remonta as etapas-chave da sua carreira, marcada por um questionamento incessante da perspetiva, das transformações urbanas, da dinâmica arquitetónica e da musicalidade do toque pictórico.

Esta exposição, que esteve no Museu Cantini, Museu de arte moderna em Marseille, entre junho e novembro de 2022, no âmbito da Temporada Cruzada Portugal-França, resulta de uma parceria com a galeria Jeanne Bucher Jaeger, galeria histórica de Maria Helena Vieira da Silva, em Paris.

A mostra está dividida em duas partes, a primeira das quais é dedicada a uma visão retrospetiva e cronológica da rica e variada obra de Vieira de Silva, enquanto a outra se concentra na relação especial entre a artista e os seus patronos e amigos, o casal Kathleen e Pierre Granville.

Toda a coleção Vieira da Silva do Museu está exposta, revelando, através do prisma dos Granvilles, constante na sua escolha, os motivos e temas recorrentes na obra da artista.

Graças a este casal, o Museu de Belas Artes de Dijon detém agora quase quarenta obras, fazendo desta uma das mais completas coleções dedicadas a Vieira da Silva.

Estas duas leituras independentes da obra de Vieira da Silva permitem retraçar a carreira da artista, desde os seus começos figurativos em Lisboa nos anos 1920 até às pinturas evanescentes dos anos 1980, explica a nota na página do museu.

“Os empréstimos e a rica coleção do museu mostram as suas repetições em torno de cidades, azulejos, tabuleiros de xadrez e o caminho para a não-figuração, mas também a sua investigação plástica no campo mais maleável das artes gráficas”, acrescenta.

Paralelamente à mostra, foi editado um catálogo, com ensaios e quase todas as obras exibidas, e irá decorrer um programa cultural, que inclui visitas guiadas à exposição, ‘workshops’ ou eventos noturnos.

 

Donativos LusoJornal