Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Publicamos hoje no LusoJornal, o primeiro poema de um dos muitos milhares de poetas que Portugal possui. Uma grande maioria nunca foram publicados. Milhares de poemas foram escritos muitas vezes para eles mesmos, familiares ou amigos.

Poemas testemunho de um ser, de um estado de espírito, por vezes… de um aliviar.

José Couto Alves Grenha faz parte desses milhares de poetas anonimos.

Copiou para um caderno, grande parte da sua obra poética ao longo de 50 anos. Por amizade ofereceu o caderno a seu amigo António Marrucho.

José Couto Alves Grenha começou a escrever no seu tempo de tropa em Angola em 1968, imigrou para França depois daqueles anos passados no ultramar. Viveu grande parte da sua vida na região de Lille onde exerceu vários ofícios, alguns em postos de resposabilidade. É pai de dois filhos e vive atualmente perto de Chantilly.

É com autorização de José Grenha que publicamos hoje um primeiro poema que data de 23 agosto de 2005.

 

De mim para ti meu país

 

Viver é sofrer

Viver é sentir um tal sofrimento

que por vezes nem direito temos

a um lamento

E eu vivendo a sofrer.

 

Tento esquecer

as minhas máguas

a escrever.

Escrevo o meu destino

que tem sido amargurado

Vivo escrevendo

aquela vida que gostaria de ter tido

mas que passou a meu lado.

 

Poderia ter sido

aquilo que sempre sonhei

mas preferi continuar a ser aquilo que sou

A amar como amei.

Se fui amado, não sei.

Só posso dizer

que sou aquilo que sou.

Não recebi

mas tudo dei, e tudo dou.

E assim vou vivendo a vida

amando

Pois sou eu mesmo,

embora me destrua caminhando.

 

Para que o amor

seja mais profundo

e a vida tenha mais valor

temos que correr mundo.

Estar longe do país que amamos

aí sim, é amor profundo

que sentimos por vezes

no nosso coração ferido

pela indiferença

mas o nosso amor é tão grande

que choramos

pois a saudade é imensa.

Saudade, saudade é tristeza

é sentir o coração a fraquejar

é o querer receber

mas só poder dar.

Saudade és tu meu país

que já não me lembro ver-te.

É verdade

que devido à saudade

já tentei esquecer-te

mas não consigo

embora tu meu país querido

tentes esquecer-me

mas eu, sim eu, trago-te

sempre comigo.

Tu és aquilo que eu gostaria de ser

Tu és nobre, és valente,

tu és a cobiça de muita gente

porque a tua pobreza

faz com que sejas tão nobre

que os outros com a sua riqueza

têm ciumes da tua pobreza

e até gostariam de ser pobres.

 

Já faz três anos que te não vejo.

Sei que neste momento sofres

com as queimaduras

mas tu és demasiado nobre

para cair de joelhos

à frente daqueles

que te querem ver mais pobres.

 

Eu sei que vais resistir

pois tu sendo pequeno

és demasiado grande e nobre.

Tu tens aquilo que os outros não têm

a tua nobreza.

 

E isso meu querido país

vale mais que a maior riqueza.

Continua a ser aquilo que és

que a tua riqueza

que é a pobreza

seja mais rica

dando-te uma tal nobreza

que a fartura dos outros

passa a ser uma pobreza.

E vou prometer-te

que se um dia for aí ver-te

fazer-te-ei um poema

como nunca fiz.

A tinta serão as lágrimas de meus olhos

O papel, bocadinhos do coração

E o tema: Amor aos molhos.

 

Escreverei sobre ti

direi ao mundo, o quanto és lindo

e que mesmo estando longe

Sinto por ti um amor profundo.

 

José Couto Alves Grenha

23/08/2005

 

 

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 8 Votos
4.0
X