Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Portugal voltou a brilhar no Hipódromo de Vincennes

LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha

O Hipódromo de Paris Vincennes voltou a organizar, pelo oitavo ano consecutivo, neste domingo, mais uma Jornada de Portugal. Para além do Grande Prémio de Portugal, houve também as corridas LusoJornal, Rádio Alfa, Fidelidade, Aigle Azur e Reflex Latino.

A iniciativa deve-se ao antigo Cônsul Geral de Portugal em Paris, Luís Ferraz e ao professor especialista de equitação portuguesa Carlos Henriques Pereira, e todos os anos o Hipódromo reserva uma das suas jornadas temáticas a Portugal.

Para entregar o Grande Prémio de Portugal, lá estava o Embaixador de Portugal em França Jorge Torres Pereira e o Cônsul Geral de Portugal António de Albuquerque Moniz.

A primeira prova da tarde foi a Corrida de Cabo Verde, cujo prémio foi entregue pelo Embaixador de Cabo Verde em França, Hércules Cruz.

Mas a tarde não foi só de corridas, mesmo se milhares de Portugueses ainda tentaram a sorte apostando num dos cavalos.

No vasto hall do hipódromo foi montado um «Village Português», coordenado por Bruno António da Reflex Latino. Várias empresas apresentaram os seus produtos, sobretudo alimentares. E o espaço esteve cheio durante todo o dia.

Houve quem optasse por almoçar confortavelmente no restaurante panorâmico do Hipódromo, ao mesmo tempo que assistia às corridas, mas houve também quem preferisse comer umas bifanas e churrasco à venda no «Village Português».

Há muitos Portugueses a apostar, muitos têm lojas PMU e também há Portugueses proprietários de cavalos e treinadores, como confirmou ao LusoJornal Tibault Ceffrey, um dos organizadores executivos da Jornada de Portugal. Para além disso, estiveram presentes o Presidente e o Vice Presidente da Federação portuguesa das corridas de cavalos.

As visitas aos estábulos não pararam durante toda a tarde e muita gente queria inscrever-se para seguir as corridas dentro de um miniautocarro que acompanhava os cavalos nas pistas. «Temos muita afluência, muita gente interessada em descobrir o mundo dos cavalos e em acompanhar a corrida praticamente a poucos metros da pista, mas em poucas horas atingimos o limite das inscrições» confirmou ao LusoJornal uma das acompanhantes da empresa Le Trôt, gestora do Hipódromo e organizadora do evento.

No exterior, Rui Bandeira foi o artista convidado e milhares de pessoas assistiram às passagens em palco, entre duas corridas. Também o grupo folclórico ribatejano de Champigny dançou durante toda a tarde nos diferentes espaços do hipódromo.

O espaço de jogos estava cheio de crianças que brincavam e que faziam “batismos” de pónei. Tudo isto gratuitamente.

 

 

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 8 Votos
6.9
X