Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.
Empresas

 

 

A Stellantis obteve um lucro recorde de 13.354 milhões de euros em 2021, quase 2,8 vezes superior ao que os dois grupos que compõem este gigante automóvel, PSA e Fiat-Chrysler, conseguiram separadamente em 2020, foi anunciado esta semana.

Em comunicado, a construtora automóvel indicou ainda que vai distribuir 1.900 milhões de euros destes lucros entre os seus empregados.

O Presidente executivo (CEO – Chief Executive Officer), Carlos Tavares, destacou quando apresentou as contas que estes ‘bónus’ por conta dos resultados de 2021 representarão mais 70% do que o que foi distribuído no ano passado.

Carlos Tavares salientou que os trabalhadores têm sido “absolutamente formidáveis” e é por isso que “uma parte importante” da riqueza gerada lhes será devolvida.

Para ilustrar o impacto nos seus salários, Carlos Tavares assinalou que em França os empregados com salários inferiores a 2,5 vezes o salário mínimo do país (até cerca de 3.170 euros líquidos) receberão uma média de 4.400 euros.

No entanto, os Sindicatos salientaram que 1.900 milhões de euros em ‘bónus’ para o pessoal é muito inferior aos 3.300 milhões de euros que a empresa planeia distribuir aos acionistas uma vez aprovada a sua proposta na assembleia, e sublinharam que o que deve ser feito primeiro é aumentar os salários.

O lucro recorde no primeiro ano de funcionamento do conglomerado resultante da fusão da PSA francesa e da Fiat-Chrysler italo-norte-americana foi alcançado principalmente devido à notável recuperação do negócio automóvel após a crise provocada pela Covid-19 em 2020, e ainda mais da rentabilidade.

O resultado operacional da Stellantis no ano passado aumentou 95% para 18.011 milhões de euros, o que significa que a margem (como proporção do volume de negócios) aumentou de 6,9% para 11,8%.

Isto está acima dos 10% que a gestão tinha estabelecido como meta quando apresentou as primeiras contas semestrais no início de agosto. Já então a margem de 10% resultou de uma revisão ascendente das expectativas.

Outro elemento importante foi a fusão de sinergias de cerca de 3.200 milhões de euros em 2021 como um todo, que marcou uma aceleração nos últimos meses, uma vez que na primeira metade do ano tinham sido 1.300 milhões de euros.

O volume de negócios da empresa aumentou 14% para 152.119 milhões de euros.

A América do Norte reforçou a sua posição como principal mercado para a Stellantis, não só em termos de receitas (69.736 milhões de euros, mais 9.103 milhões de euros do que em 2020), mas sobretudo em termos de rentabilidade, uma vez que com um resultado operacional de 11.356 milhões de euros, a sua margem aumentou de 10,1% para 16,3%.

Na Europa, com um volume de negócios de 59.060 milhões de euros (mais 2.580 milhões de euros do que em 2020), o lucro operacional de 5.370 milhões de euros representou uma rentabilidade de 9,1%, contra 5,4% no ano anterior.

Este valor estava abaixo da margem operacional de 11,1% da China, Índia e região da Ásia-Pacífico, embora nestes países, devido ao volume de negócios muito inferior, o lucro operacional tenha sido limitado a 442 milhões.

Na América do Sul, que é o terceiro maior mercado para Stellantis depois da América do Norte e Europa, a rentabilidade aumentou de 2,5% para 8,3%, graças a um resultado operacional que subiu mais de cinco vezes para 882 milhões.

Os investidores deram uma receção bastante eufórica aos números da Stellantis, tendo em conta a cotação das suas ações, que subiram acentuadamente no início do dia na bolsa de valores de Paris. Na primeira meia hora de negociação, as ações subiram mais de 5%, enquanto o índice geral subiu 1%.

A empresa está a iniciar o processo de eletrificação e digitalização da sua gama, para o qual programou mais de 30.000 milhões de euros de investimentos até 2025.

A empresa espera que o mercado automóvel cresça 3% na América do Norte, Europa e América do Sul, as suas principais bases comerciais, enquanto para a Índia e região da Ásia-Pacífico estima um aumento de 5%.

 

Donativos LusoJornal

 

X