Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.
Donativos LusoJornal

 

A professora de português da Associação Portuguesa Cultural e Social (APCS) de Pontault-Combault, Débora Cabral Arruda, foi vítima de um grave acidente na segunda-feira desta semana, na N104. Um camião descontrolado embateu no carro da professora, quando esta seguia precisamente para as aulas, perto de Servon. O acidente implicou mais quatro outras viaturas.

Segundo as autoridades que acorreram ao acidente, o motorista do camião não se teria apercebido que o transito abrandou e seguiu desenfreado contra os carros que estavam pela frente. Débora Cabral teve de ser desencarcerada pelos bombeiros sapadores e teve de seguir de urgência, de helicóptero, para o hospital de Kremlin-Bicêtre, no Val-de-Marne, onde ainda se encontra.

“Débora foi operada de emergência na noite da sua chegada [ao hospital], está a recuperar das consequências desta intervenção, a equipa médica está a pesquisar e a investigar todas as (múltiplas) consequências deste choque que foi muito violento. A recuperação será longa e difícil” explica o marido numa mensagem enviada aos amigos. “É uma nova provação que temos de enfrentar”. O casal tem duas filhas e Pedro Coelho acrescentou que “as crianças estão bem”.

Mário Castilho, o fundador da APCS e antigo Presidente da associação, confirmou ao LusoJornal que a situação clínica de Débora Cabral é grave e que a recuperação vai ser muito longa. Mas o marido explica que a professora “está consciente”.

Débora Cabral já coordena as aulas de português na associação de Pontault-Combault há muitos anos, tendo substituído Joaquim Pires quando o professor faleceu.

A N104 esteve completamente cortada nos dois sentidos até cerca das 19h00, causando filas com mais de 10 quilómetros. Os testes feitos ao motorista foram todos negativos.

 

Comunidade
X