PSD diz medidas do Governo para os Consulados são “boas” mas insuficientes

Comunidade

 

O Deputado social-democrata Maló de Abreu, eleito pelo círculo eleitoral da emigração, considerou positivas, embora insuficientes, algumas das medidas anunciadas no Parlamento pelo Ministro dos Negócios Estrangeiros para reforço dos serviços consulares portugueses, como a contratação de 133 novos funcionários.

“Estão 289 funcionários para sair” dos quadros dos Consulados portugueses no exterior, recordou Maló de Abreu, em declarações à Lusa no final da audição do Ministro João Gomes Cravinho na Comissão parlamentar e Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas.

Mas o Ministro assegurou que os funcionários que saírem “serão sempre repostos”, além do novo recrutamento de 133 funcionários ainda este ano.

Portanto, sublinhou o Deputado do PSD: “a ideia é que seja feita a reposição e que cresça”, o número de funcionários dos Consulados. “Se isso acontecer é bom”, afirmou. Mas “está longe de dar uma resposta efetiva às necessidades das Comunidades, porque há dificuldades objetivas”.

O mecanismo automático de substituição de funcionários é, para Maló de Abreu, uma “boa medida” anunciada por João Gomes Cravinho, que “dá resposta imediata aos problemas que vão surgindo, porque há muitas baixas e situações de dificuldades momentâneas”, pelo que a haver uma bolsa de pessoas para a substituição é boa. Porém, alertou, “é preciso ver agora a sua concretização”.

Apesar disso, o Deputado do PSD considerou que o Ministro não deu resposta a algumas questões que lhe têm vindo a ser transmitidas pelas Comunidades portuguesas. “Estão a viver fora da realidade porque há grandes lacunas e grandes deficiências na nossa rede consular”, concluiu.

“Sendo certo que o senhor Ministro assumiu que a situação é difícil, sobretudo por causa da pandemia e da guerra na Ucrânia, da parte do Partido Socialista houve como que um passar por cima de um assunto que efetivamente é complexo relativamente às Comunidades portuguesas, porque as queixas são diárias e múltiplas” relativamente aos serviços consulares, conclui o Deputado.

 

Donativos LusoJornal