Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.
Donativos LusoJornal

 

Uma homenagem a Ernesto de Sousa, cujo centenário do nascimento é celebrado este ano, vai passar por Reims no próximo ano. O anúncio foi feito esta semana precisamente porque duas galerias de Lisboa, inauguram em simultâneo, no dia 27 de novembro, uma exposição que presta homenagem ao artista, poeta, crítico, curador e cineasta português.

A mostra “Ernesto de Sousa, Exercícios de Comunicação Poética com Outros Operadores Estéticos”, “pretende prestar homenagem à abordagem artística de Ernesto de Sousa, através de uma perspetiva e diálogo intergeracional da sua obra e dos seus arquivos”. A Comissária da exposição é Lilou Vidal, francesa que partilha a vida entre Bruxelas e Turim.

No âmbito desta homenagem, também vai ser exibido, na Cinemateca Portuguesa, no dia 29 de novembro, o único filme dirigido por Ernesto de Sousa, “Dom Roberto”, premiado no Festival de Cannes, em 1963.

“Dom Roberto” é apontado como precursor do Novo Cinema português. Estreado em sala, em 30 de maio de 1962, foi distinguido no Festival de Cannes, no ano seguinte, com o prémio da Jeune Critique e o prémio da Association du Cinéma pour la Jeunesse.

“Dom Roberto”, um drama protagonizado por Raul Solnado e Glicínia Quartin, com participação do poeta Alexandre O’Neill, no argumento, “representou uma inédita experiência cinematográfica em Portugal, tendo sido produzido em regime de ‘cooperativa de espectadores’”.

As comemorações do centenário de nascimento Ernesto de Sousa começaram em abril e irão estender-se durante o próximo ano, “uma vez que a exposição na Galeria Quadrum vai ser apresentada na Frac Champagne Ardenne de Reims, em 2022”.

Com efeito, a Comissária da exposição, a francesa Lilou Vidal, é membro da Comissão de apoio para a valorização da arte francesa a nível internacional, criada pela Frac Champagne Ardenne de Reims para desenvolver parcerias com galerias estrangeiras.

 

Ernesto de Sousa

Crítico, artista visual, realizador, teórico e programador estético, Ernesto de Sousa marcou o panorama das artes em Portugal a partir de meados de 1940, inspirando as gerações de artistas que se afirmaram após o 25 de Abril.

Ernesto de Sousa acarinhou um conjunto de artistas fundamentais do pós-25 de Abril, foi curador de exposições e de eventos artísticos coletivos, fez várias exposições individuais, e concebeu a mostra “Alternativa Zero”, em 1977, um acontecimento que marcou a arte portuguesa contemporânea.

Muitos dos artistas que nela participaram tornaram-se depois nomes consagrados, como foi o caso de Helena Almeida, Julião Sarmento, Ângelo de Sousa, Noronha da Costa e Fernando Calhau, entre outros.

Ernesto de Sousa comissariou, por três vezes, a representação portuguesa na Bienal de Veneza, participando numa obra coletiva com Ana Hatherly, João Vieira, Ernesto de Mello e Castro e António Sena (1980), e escolhendo depois Helena Almeida (1982) e José Barrias (1984), como representantes.

Desdobrando-se por várias atividades e interesses, “anti-especialista por escolha e vocação”, Ernesto de Sousa destacou-se na realização e na crítica de cinema, no cineclubismo, na fotografia, no estudo da arte popular, na crítica de arte, no teatro, e depois no cinema experimental, entre outras formas artísticas, como o ‘happening’, a ‘performance’, através do Movimento Fluxus, na sua introdução em Portugal.

Estudou cinema em Paris, entrou em divergência com o movimento surrealista em Portugal, foi pioneiro da arte multimédia e colaborou com jornais e revistas como a Seara Nova, Horizonte, Vértice, Mundo Literário e Colóquio Artes.

É tido como fundador do Círculo de Cinema, em 1946, onde a polícia política da ditadura do Estado Novo o deteve, assim como à restante direção, naquela que foi a primeira de quatro prisões do artista por motivos político-culturais.

Nos vários caminhos criativos que percorreu, Ernesto de Sousa defendeu sempre o derrube de fronteiras entre arte e vida, e encontrou as suas figuras tutelares em Bertolt Brecht, Joseph Beuys, Wolf Vostell, Almada Negreiros, mas também em criadores como Rosa Ramalho e Franklin Vilas-Boas Neto.

 

Cultura
X