Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Salão do imobiliário português termina esta tarde em Paris

LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha

Com cerca de 170 expositores, a sétima edição do Salão do Imobiliário e do Turismo Português em Paris termina hoje no Parque de Exposições da Porte de Versailles, onde acolheu durante três dias milhares de visitantes.

A inauguração foi feita na sexta-feira de manhã pela Secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, na presença do Embaixador de Portugal em França, Jorge Torres Pereira, do Cônsul Geral de Portugal em Paris, António de Albuquerque Moniz, do Cônsul Geral Adjunto de Portugal em Paris, João de Melo Alvim, do Diretor da AICEP em Paris, Rui Almas, do Conselheiro Cultural da Embaixada de Portugal João Pinharanda, do Diretor do Turismo de Portugal em Paris Jean-Pierre Pinheiro e de muitos outros convidados.

O certame é organizado pela Câmara de comércio e indústria franco-portuguesa (CCIFP), presidida por Carlos Vinhas Pereira, que acolheu, durante estes três dias, os expositores e as personalidades que o visitaram, como por exemplo os Presidentes das Câmaras Municipais de Leiria, Almada, Olhão e Caminha.

Pascal Gonçalves, da «Maison au Portugal», um dos primeiros expositores a apostar no Salão, garantiu ao LusoJornal que «o setor imobiliário ainda tem muitos bons dias pela frente».

O número de reformados franceses que decide mudar-se para Portugal é impressionante. Nota-se no salão. Pascale e Jean-Marc moraram toda a vida em Argenteuil. No próximo ano vão mudar-se de armas e bagagens para Portugal. «A decisão está tomada. Já lá fomos cinco vezes de férias e sentimos bem estar naquele país» diz Pascale ao LusoJornal. «Há uma coisa que já não suportamos em França: é a insegurança. Hoje posso dizer que temos medo de viver em Argenteuil».

Jean-Marc prefere falar do «modo de vida» dos Portugueses. «Nós não temos uma reforma muito grande. Aqui em França já percebemos que não podemos ter a reforma que nós queriamos ter, então encontrámos um país, aqui ao lado, onde podemos ter bom tempo e boa qualidade de vida».

Pascale e Jean-Marc ainda não sabem para onde vão morar. Estão tentados pelo Alentejo, mas «já encontrámos aqui casas tão bonitas noutras regiões… vamos ter de ir mais uns 15 dias de férias para visitar e decidir».

Por outro lado, Sandrine e Julien, já sabem que querem um apartamento em Lisboa. Ele é licenciado em informática e ela é tradutora. Sandrine é lusodescendente «mas confesso que nunca tinha ido a Lisboa». Quando descobriu a capital, há dois anos, decidiram mudar-se para Portugal. «Temos uma situação profissional estável em França, mas percebemos que podemos ter ainda melhores oportunidades em Portugal. É incrível porque os meus pais sairam de Portugal para encontrar melhores oportunidades em França e agora somos nós que vamos para Portugal».

Julien já tem uma promessa de emprego. «Emprego no meu setor não falta em Portugal» e por isso a procura de alojamento tornou-se uma urgência. «Quando ouvimos falar deste salão viemos logo, porque é mesmo uma oportunidade. Vamos daqui com o contacto de uma empresa que se ocupa de tudo, desde encontrar apartamento segundo os nossos critérios, até ocupar-se de todas as formalidades administrativas. É disso que necessitamos e foi isso que aqui encontrámos» garantiu Sandrine.

O Salão parece ter mais uma vez correspondido às expetativas, tanto dos organizadores como dos expositores e do público.

 

 

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 3 Votos
5.0
X