Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

 

Samantha Cazebonne, da «République en Marche», o Partido de Emmanuel Macron, voltou a ser eleita Deputada pelo 5° círculo eleitoral dos Franceses no estrangeiro, que inclui Portugal, Espanha, Andorra e Monaco. A segunda volta teve lugar este domingo.

Samantha Cazebonne já tinha sido eleita no ano passado e tinha mesmo sido escolhida para presidir o Grupo Parlamentar de Amizade França-Portugal, mas a eleição foi anulada administrativamente e teve de voltar a ser realizada.

Na primeira volta, que teve lugar há duas semanas, votaram 6.960 eleitores, num universo de 88.455 inscritos.

Samantha Cazebonne (2.398, 35,15%) e François Ralle-Andreoli (1.941, 28,45%) foram à segunda volta este fim de semana, deixando para trás Raphaël Chambat (13,95%), Jean-Laurent Poitevin (7,49%), Mehdi Benlahcen (7,47%), Ludovic Lemoues (4,03%), Yohann Castro (1,79%), Michel Hunault (0,92%) e Samir Sahraoui (0,75%).

Para a segunda volta da eleição, que teve lugar este domingo 22 de abril, três mesas de voto estiveram abertas na Embaixada de França em Lisboa, uma no Liceu Francês do Porto e uma outra ainda na Alliance française de Faro.

«Agradeço aos 7.048 eleitores deste círculo eleitoral que fizeram o esforço de ir novamente às urnas apesar das dificuldades intrínsecas aos escrutínios organizados no estrangeiro, assim como num contexto particularmente pouco favorável à participação, testemunhando assim uma forte ligação à vida democrática» disse a Deputada reeleita.

«Estou cada vez mais virada para o futuro, comprometo-me a defender os interesses dos meus concidadãos, e a ser a sua porta-voz. Vocês reconheceram a integridade e a sinceridade da minha implicação, e hoje permitem que eu continue o mandato que me foi retirado por razões que me eram completamente alheias. Durante esta rude campanha, mais os meus opositores usavam a colúnia, a instrumentalização do medo, mais me incitavam a demonstrar que uma mulher noviça na política, que acredita na ação corajosa do Governo e na implicação dos cidadãos, tinha o dever o de não renunciar face a tais métodos» escreve Samantha Cazebonne nas redes sociais. «O respeito é um fundamento da democracia. Sem respeito é difícil de construir com bases sãs, relações humanas e profissionais. A partir de agora, vou dedicar-me a trabalhar para além dos Partidos políticos, com os homens e as mulheres que me testemunharão desse respeito recíproco que cada um de nós está no direito de esperar e de receber durante uma campanha política».

«O tempo perdido não poderá ser recuperado, mas a minha equipa e eu própria retomaremos as nossas atividades desde a retoma da sessão parlamentar, depois de ter efetuado todas as formalidades administrativas e regulamentares que se impõem a cada recem-eleito».

 

 

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 6 Votos
3.7
X