Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Tereza Carvalho lancou “Gotas de Fado” em Paris

LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha

O Consulado Geral de Portugal em Paris encheu completamente, na quinta-feira da semana passada, para acolher o lançamento do novo álbum da fadista Tereza Carvalho, “Gotas de Fado”.

Tereza Carvalho foi acompanhada pela guitarra de Lino Ribeiro e pelas violas de Pompeu Gomes e de Tony Correia. “Tenho o coração cheio, tenho a alma cheia, com vontade de seguir em frente. E este é o caminho certo” disse Tereza Carvalho ao LusoJornal.

O último disco de Tereza Carvalho data de 2012, um álbum que lhe permitiu integrar o meio fadista português em Paris. “Preparei um espetáculo para restaurantes e associações e foi assim que consegui ser conhecida na Comunidade portuguesa”, conta.

Tereza Carvalho é de Romeu, uma aldeia no concelho de Mirandela e diz cantar deste os 12 anos de idade. “Comecei a ouvir fado com a minha avó e com as vizinhas da minha avó” contou ao LusoJornal. “A minha avó já faleceu há bastantes anos, mas foi com ela que eu cresci e ouvi fado, era um tempo de muita humildade, sem dinheiro, mas com princípios, com valores, com muito carinho e amor verdadeiro”. E acrescentou que “quando hoje tenho alguma recaída, fecho os olhos e é para aquele cantinho que eu vou”.

O álbum que agora edita, com 13 temas, 5 dos quais originais, chama-se “‘Gotas de Fado’ porque a vida é feita de momentos, de gotinhas” diz a fadista. “Este álbum é a compilação de temas que contam o meu percurso no fado até ao dia de hoje e com o Custódio Castelo, achámos bem dar este nome ao álbum”.

É uma viagem pelo passado, pelo presente e até por “um futuro” no percurso de Tereza Carvalho. “Um futuro, sim, porque este álbum já faz a ligação com um futuro. O que vai ser esse futuro? Vai ficar ainda por revelar” deixa a fadista, misteriosa.

Custódio Castelo, o grande guitarrista, foi o Diretor artístico e compositor do álbum. “Foi ele que deu alma e coração a este CD”, e a gravação teve lugar nos estúdios Pé de Vento, onde já gravaram grandes nomes do fado português. Na gravação, Tereza Carvalho foi acompanhada pelo próprio Custódio Castelo, mas também por Carlos Leitão e Carlos Menezes.

Numa curta intervenção, o Cônsul Geral de Portugal em Paris reconheceu a qualidade do trabalho de Tereza Carvalho e destacou o trabalho do Adido Social daquele posto consular, Joaquim do Rosário, “que, para além do trabalho que já fazia desde que chegou a Paris, assume agora também, com brio, a programação cultural do posto consular, desde que Miguel Costa saiu para assumir as funções de Vice-Cônsul de Portugal em Toulouse”.

Tereza Carvalho agradeceu também aos mecenas que contribuíram para que o álbum fosse editado. “Este é o momento de vos agradecer por tanto carinho, tanto amor, tanta verdade e respeito pelo meu, nosso, trabalho”. A fadista disse que lhe “tiraram um peso da consciência” e confessou que “todos os patrocinadores deram-me uma ajuda e continuam a dar uma ajuda, com palavras de incentivo. São todos da Comunidade portuguesa em França e todos se tornaram amigos. Vieram juntar-se à grande família de amigos que eu já fui constituindo aqui em França”.

A apresentação esteve a cargo de Odete Fernandes, que apresenta o programa “Só Fado” na rádio Alfa, em Paris. Na sala estava também o Príncipe do Cambodja, Morodom Ravichak, com a esposa, assim como Hirondino Isaías, Presidente da Casa de Trás-os-Montes e Alto Douro de Lisboa que entregou a Tereza Carvalho, a a faixa de “Embaixadora do Fado Transmontano”. “Todos os anos escolhemos uma figura e este ano escolhemos a Tereza Carvalho para representar o nosso fado, para o representar por onde passa, por Paris ou por onde ela andar” disse ao LusoJornal.

Emocionada, Tereza Carvalho confessou que a faixa “significa que todos os esforços, todas as lágrimas, todas as vezes que eu caí e me levantei, valeu a pena, é gratificante, agradeço à Casa de Trás-os-Montes”.

Quem também estava emocionado era Arnaud Jorge, marido de Tereza Carvalho. “Obrigado pelo incentivo, companheirismo, organização e amor que deu a este dia” disse a Fadista.

“Foi uma noite especial. Eu já vim muitas vezes a este Consulado, mas hoje saio daqui super feliz, com muita energia positiva, quero mais e vou ter mais. E estas pessoas sei que estão comigo”.

A partir de agora, a agenda de Tereza Carvalho foi-se enchendo ainda mais. Mas “quando se faz coisas por gosto, não se cansa. Nada é fácil, mas conseguimos”.

 

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 4 Votos
6.5
X