Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Terminou com ‘nota positiva’ o Street Food Festival de Lyon com presença portuguesa

LusoJornal | Jorge Campos LusoJornal | Jorge Campos LusoJornal | Jorge Campos LusoJornal | Jorge Campos LusoJornal | Jorge Campos LusoJornal | Jorge Campos LusoJornal | Jorge Campos LusoJornal | Jorge Campos LusoJornal | Jorge Campos LusoJornal | Jorge Campos
Empresas

 

Entre os dias 23 e 26 de junho, foi organizado em Lyon o Lyon Street Food Festival e Portugal esteve representado por vários Chefs cozinheiros, vindos de Portugal e também de França. No total, 25 “Tasquinhas” acolheram Chefs que se exprimiram, apresentando pratos “revisitados” da nossa gastronomia popular, transformando-os dando asas à sua imaginação criativa.

Todos tiveram muito sucesso e a adesão do público a estas “Tasquinhas” portuguesas durante os quatro dias do certame, foi muito intensa.

José Paulo Rocha, do restaurante “O Velho Eurico” apresentou Borrego à alentejana, Arroz de pato e Bacalhau à Brás. “Fiquei surpreendido, pois não houve nenhuma barreira, nem linguística, nem cultural. Muitos jovens passaram por aqui e mostravam muito interesse pelo que nós fazíamos. Foram muito positivos estes encontros” disse ao LusoJornal o Chef José Paulo Rocha.

Vindo de Amarante, o Chef Tiago Bonito, do restaurante “Casa Calçada” apresentou um prato de peixe, Choco de caldeirada, revisitado à sua maneira, com uma mistura de sabores, que também teve grande sucesso. Sara Ferreira acompanhou-o e os dois declararam estarem “muito contentes” com o sucesso deste Festival.

Representando o Algarve, mais precisamente Lagos, estava Luís Anjos, cozinheiro do “Palmares Resort”, que apresentou um prato baseado em Bacalhau com o nome de Ceviche e onde misturava Grão de bico com Broa de milho. “Passei aqui uns bons momentos e esta iniciativa, com a nossa presença, honra a nossa cultura culinária e também Portugal. Para mim foi muito positivo tudo isto” declarou ao LusoJornal.

Gil Fernandes apresentou uma receita inventiva onde berbigão e mexilhão se acomodavam com um molho de pato e ainda mostarda e mel. Gil Fernandes é o Chef do restaurante “Fortaleza”, no Guicho, em Cascais. “Levo boas recordações e foi muito positivo estas apresentações e descobertas que o público pode fazer ao visitar-nos” concluiu.

Vasco Gonçalves e Miguel Peres apresentaram uma receita revisitada de carne de porco: a famosa “Bifana Porcalhota” – porque o molho corre pelas mãos de quem a come. O proprietário do restaurante “O Pigmeu”, em Campo de Ourique participa frequentemente nestes Festivais pela Europa fora. “Esperava mais gente, mas mesmo assim foi muito bom podermos divulgar e dar a provar as nossas especialidades”.

Vindos de Lille, em França, Cristophe Paredes e Louis Merviau, também apresentavam uma outra receita de Bifanas, mas dentro de um quadro bem português, no Electrico Urban Food & Truck. Brevemente terão a abertura de um restaurante fixo em Lille, onde mais receitas tradicionais portuguesas serão propostas ao público. “Estamos muito contentes com o resultado destes dias, tanto em termos de adesão do público como pela possibilidade de apresentarmos as nossas receitas de cozinha tradicional, revisitadas à nossa maneira” disse Cristophe Paredes ao LusoJornal.

Além da gastronomia também houve muitas apresentações culturais, muito público presente nos “ateliers” de iniciação à língua portuguesa, provas de vinhos e de licores, pelo Centro de Língua Portuguesa do Camões, Azulejos e Têxtil origami.

Do programa musical, destaque-se a presença de Manuel Mendes, com a sua música do Cancioneiro tradicional português, de norte a sul de Portugal, mas também da fadista Nazaré, de Zé Praia com música ligeira portuguesa e o grupo “Zé e seus amigos” cantando extratos do Cancioneiro português. Estiveram também presentes o Grupo folclórico da Casa de Ponte da Barca, que animou o recinto com as suas danças e cantares da região do Minho.

 

Donativos LusoJornal
X