Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Jorge Magalhães, 46º, foi o melhor elemento da Seleção Portuguesa na oitava etapa do Tour de l’Avenir – Volta a França do Futuro -, uma ligação de apenas 23,1 quilómetros, sempre a subir, entre Brides-les-Bains e o Col de la Loze.

Apesar de curta, a etapa foi das mais duras da competição, porque a subida apresentava troços de grande inclinação, que provocaram grandes diferenças, mesmo entre os pretendentes às primeiras posições da classificação geral.

O Australiano Alexander Evans impôs-se com 12 segundos de vantagem sobre o Luxemburguês Michel Ries, ao passo que o Francês Clément Champoussin fechou o pódio da jornada, a 24 segundos. O Norueguês Tobias Foss, já com contrato com a Jumbo Visma para 2020, foi o quinto, a 42 segundos, e assumiu o comando da geral individual.

Entre os portugueses, Jorge Magalhães foi o que resistiu melhor às dificuldades, cortando a meta na 46ª posição a 8 minutos e 29 segundos. Guilherme Mota foi o 66º a 9 minutos e 57 segundos, Gonçalo Carvalho ocupou o 102º lugar a 14 minutos e 06 segundos, e Francisco Campos cortou a meta no 107º posto a 14 minutos e 44 segundos.

Em declarações ao LusoJornal, Gonçalo Carvalho admitiu que estava cansado: «Não recuperei da etapa precedente, fui devagar para recuperar e apostar nas últimas duas etapas», afirmou o ciclista português.

A luta pela camisola amarela está animada. Tobias Foss passou para a frente, mas tem o Norte-Americano Matteo Jorgenson a 23 segundos e o Italiano Giovanni Aleotti a 41, nas posições imediatas.

Gonçalo Carvalho permanece como melhor português na geral, no 48º posto a 45 minutos e 52 segundos, seguindo-se Guilherme Mota, 70º a 57 minutos e 02 segundos, Jorge Magalhães, 86º a 1 hora 06 minutos e 10 segundos, e Francisco Campos, 111º a 1 hora 36 minutos e 18 segundos.

A nona e penúltima etapa do Tour de l’Avenir terá 67,2 quilómetros, unindo Villaroger a Tignes, com a meta coincidindo com um prémio de montanha de primeira categoria.

Etapas do Tour de l’Avenir:

15 de agosto: Marmande-Marmande, 129 km (Plana)

16 de agosto: Eymet – Bergerac, 32 km (Contrarrelógio por Equipas)

17 de agosto: Montignac/Lascaux – Mauriac, 162 km (Média montanha)

18 de agosto: Mauriac – Espalion, 158 km (Média montanha)

19 de agosto: Espalion – Saint-Julien-Chapteuil, 159 km (Média montanha)

20 de agosto: Saint-Julien-Chapteuil – Privas, 124 km (Ondulada)

21 de agosto: Dia de descanso

22 de agosto: Grésy-sur-Isere – La Giettaz, 104 km (Média montanha)

23 de agosto: Brides-les-Baisn – Méribel Col de la Loze, 23 km (Etapa em linha curta/Montanha)

24 de agosto: Villaroger – Tignes, 67 km (Alta Montanha)

25 de agosto: Saint-Colomban-des-Villards – Le Corbier, 78 km (Alta montanha)

Com Federação Portuguesa de Ciclismo.

 

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 1 Voto
9.2
X