Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

ULFE: Folclore encerra 22ª Semana cultural em Dijon

LusoJornal / Chico Correia LusoJornal / Chico Correia LusoJornal / Chico Correia LusoJornal / Chico Correia LusoJornal / Chico Correia LusoJornal / Chico Correia LusoJornal / Chico Correia LusoJornal / Chico Correia LusoJornal / Chico Correia LusoJornal / Chico Correia LusoJornal / Chico Correia LusoJornal / Chico Correia LusoJornal / Chico Correia

Foi com o seu tradicional festival folclórico que a União Luso Francesa Europeia (ULFE), deu por encerrada a sua 22ª Semana Cultural, depois de uma semana recheada de acontecimentos.

Iniciada no sábado dia 11 com uma “Noite de Fados” (ver edição do LusoJornal da semana passada), esta Semana Cultural foi rica em acontecimentos, onde os mais jovens não foram esquecidos com duas tardes que lhe foram consagradas.

No domingo dia 12, foi uma tarde lúdica onde as crianças se deram à tarefa de realizarem uma bandeira em papel, onde fazem aparecer, dividida na diagonal, as bandeiras de Portugal e da França. Terminado este trabalho, seguiu-se o respetivo lanche.

Na segunda e na terça-feira, houve projeções de filmes portugueses em versão original e da autoria de Manoel de Oliveira.

A quarta-feira, foi novamente destinada às crianças com uma animação da empresa “Kids After School”, numa viagem, mapas em cima da mesa, ao percurso do ananás e da banana, entre os seus países donde são originais, e os países hoje produtores. Duas receitas foram elaboradas na cozinha da ULFE a partir desses frutos exóticos, mas hoje acessível a todas as mesas, e que constituíram a merenda das crianças: bananas revestidas de chocolate e bebida à base de ananás, a pina colada.

Na quinta-feira, houve nova sessão cinematográfica com a projeção do filme “Capitães de Abril”.

Na sexta-feira foi programada a conferência sobre “O Portugal Contemporâneo” animada pelo historiador Yves Léonard, autor do livro “Histoire du Portugal Contemporain de 1890 à nos jours”.

Ao fim da tarde, foi a vez do Grupo de Fados da ULFE animar uma “soirée” na “Peniche Cancale”, um barco restaurante atracado no porto do canal em Dijon.

 

Inauguração de um painel

No sábado foi o dia tão esperado, uma vez que teve lugar a inauguração do painel da autoria do professor Vasco Carneiro, de Guimarães, e realizado numa das paredes da Casa de Portugal, pelos artistas Nelson Xize, de Guimarães, e Frederick Gagné, de Dijon, assistidos ainda por Kenza Nouaim e Pierre Loup Vasseur, numa parceria das autarquias de Guimarães e Dijon.

Este painel representa dois dos lugares mais emblemáticos de cada uma das duas cidades: a torre Philippe le Bon de Dijon e a Igreja de Nª Sra. da Oliveira, de Guimarães, unidos por uma praça imaginária.

Estiveram presentes nesta inauguração Laurence Karoubi, vice-Consul de Espanha em Dijon, Didier Martin e Paulo Pisco, respetivamente os Deputados francês e português, Danielle Darfeille do Conselho Departamental da Côte d’Or, Fernando Seara de Sá e François Deseille, respetivamente vogais do município de Guimarães e Dijon, Fátima Bastos e Sladana Zivkovic, responsáveis das relações internacionais das duas cidades, e Armando Pinho da Silva, vogal da Câmara de Baião.

Estiveram ainda presentes Isis Bernard da revista Cap Mag, Marie-Helène Euvrard e José Crespo da CCPF, Charles Quesnel, Presidente do Trad’Culture, Bernard André da OMSD, e claro todos os artistas autores e realizadores do painel.

A noite de sábado foi para “dar ao pé”, com a banda Estaleiro, grupo musical dos funcionários da Câmara Municipal de Baião, terra natal do Presidente da ULFE, António da Costa.

Duas exposições tiveram lugar no sábado e domingo. Uma de fotografias a preto e branco, da autoria da jovem Charlotte Santana, onde mostra o quanto é dura a vida de um pescador, numa aldeia piscatória de Portugal. A segunda sobre trabalhos realizados por um Português residente em Dijon, cujo trabalho de escultura realizado em pedaços de pau e pequenos troncos de arbustos é impressionante de precisão.

 

Festival folclórico

Rico em cores e em ritmos, o Festival folclórico iniciou no domingo pelas 15h00, depois de uma curta arruada dentro do recinto da Casa de Portugal, perante uma sala cheia de ferventes admiradores do folclore português.

Desfilaram no palco durante uns 40 minutos aproximativos, os seguintes ranchos folclóricos: Os Lusos de Saint Etienne-de-Remiremont, Les Compagnon du Bareuzai (Dijon), Rosas do Minho de La Chapelle-de-Guinchay e G.F. da ULFE (Dijon).

Uma pequena cerimónia de encerramento deste 22º Festival Folclórico e da Semana Cultural teve lugar, seguida de uma pequena restauração, antes do “Au Revoir et Bonne Route” aos visitantes que honraram a associação ULFE com a sua presença.

Foi uma magnífica tarde passada na Casa de Portugal de Dijon numa organização da Associação.

 

LusoJornal Artigos

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 18 Votos
8.9
X