Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Um espetáculo contado, história do fado: Adriana Marques ‘vendeu-nos’ o fado no Mercado Negro

LusoJornal | António Marrucho LusoJornal | António Marrucho LusoJornal | António Marrucho LusoJornal | António Marrucho LusoJornal | António Marrucho
Cultura

 

Depois do prato de entrada, foi com música suave, ela também em forma de aperitivo, que a terceira sessão de fados no restaurante “Mercado Negro”, em Roubaix, começou, com a jovem autora, compositora, Julia Volk. Ouviu-se música soul.

Depois do prato de resistência, seguiu-se a sessão de fados por Adriana Marques: um prato bem consistente com duas dezenas de canções, com um intervalo pelo meio.

Um espetáculo que esteve à altura, com um serviço bem rodado e com a cantora Adriana Marques a surpreender, o que nos faz dizer: que bem servido está atualmente Portugal com cantoras de fado que bem promovem o país e o sentimento da saudade além das fronteiras dos 92.212 km2 à beira-mar plantados: Portugal.

Para acompanhar a convidada, os já conhecidos na região, vindos de Paris: Manuel Corgas à guitarra portuguesa e Jair Carvalho à guitarra, Adriana Marques trazendo o sol e o calor do fado, diretamente do Algarve.

Depois de um liquido benfeitor que prepara e aquece as cordas vocais, Adriana Marques surpreende, descendo a rampa do bar do primeiro andar do Mercado Negro, que conduz ao rés-de-chão, em direção do restaurante, ao público da noite.

Adriana Marques previne dizendo-nos cantando: sou fado, arredem-se, para logo de seguida confidenciar que nem às paredes confessa.

Tentamos seguir as diferentes mensagens que nos chegam pela excelente voz de Adriana Marques que, como contrariando o que nos foi dito na segunda canção, nos fala de amor: confesso que te amei… se ainda alguém duvidava, aqui, Adriana Marques, fazer-nos apreciar a força da sua voz, prosseguindo por uma homenagem a todas as Marias, canção da autoria de Amália Rodrigues. Palmas, palmas, palmas pela bela interpretação.

A viagem pelo fado continuaria com um recuo até às origens, o fado fala da Mariana. Adriana Marques desce do palco para partilhar no meio do público presente: “rosa branca, rosa preta”.

O silêncio é cantado: silêncio, deixem ouvir as guitarras, para de seguida nos lembramos de Fernando Farinha: Eh pá do fado.

Já estamos no nono fado do serão, quando a convidada das duas noitadas Roubésiennes evoca o primeiro fado por ela cantado, da autoria de Jorge Fernando.

Os espetadores são balançados nesta viagem de vai e vem. Chega a altura de se escutar o fado tradicional de Pedro Rodrigues: “Ai meu amor se bastasse”, e para terminar a primeira parte do espetáculo, o poema de Amália Rodrigues é cantado: “estranha forma de vida”.

Estranha, foi a forma com que começou a segunda parte, o imprevisto aconteceu com Manuel Corgas a cantar… dirigindo-se à sua companheira: guitarra toca baixinho… será que o Francisco José ouviu? Bela canção, bela interpretação… afinal o guitarrista Manuel Corgas também canta. E canta bem.

Graças a Jorge Fernando, Adriana Marques canta-nos Lisboa, esta mesma Lisboa que também é cantada nas marchas, marchas lembradas pela artista da noite.

L’amour toujours l’amour… o amor também ele cantado, amor que pode provocar a lágrima… “Lágrima” de Amália Rodrigues, em forma de agradecimento de Adriana Marques ao guitarrista da noite Manuel Corgas… un certo amor que do palco desce para o público, que retribui, assim o sente pelo menos Adriana Marques.

Lágrima, lágrimas que por vezes são o fruto de dramas, como o que Lenita Gentil canta, aqui cantado por Adriana Marques, que evoca o amor furtado à Lenita, a morte, nas arenas do Campo Pequeno de seu namorado.

A “soirée” aproximando-se do termo, é altura de se cantar “Muito boa noite, senhoras e senhores, lá na minha terra há bons cantadores… fiar-se nos homens é o nosso fado”. Verdade seja dita, este tipo de canção não podia vir senão da imaginação e da voz de Amália Rodrigues… um dos tradicionais e que também Adriana Marques cantou, terminando com “Uma casa portuguesa com certeza”. Sim, o Mercado Negro é uma casa portuguesa.

Despedida feita, Adriana Marques confidencia: “que energia tão boa, saio daqui com uma imensa energia”. Força teve para cantar ainda mais duas canções, terminando por “Lisboa menina e moça”.

A moça dali se foi… deixando por cá saudades. Belo espetáculo, bons ventos levaram longe Adriana Marques.

 

Donativos LusoJornal
X