Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

José Baptista de Matos, figura bem conhecida da imigração portuguesa em França, emigrou em 1963, vindo de Alcanadas, concelho da Batalha. Viveu no bidonville de Champigny e também em Fontenay-sous-Bois, onde ergueu o monumento ao 25 de Abril. Trabalhou na construção do Metro e do RER de Paris, foi dirigente associativo e Conselheiro das comunidades portuguesas. Faleceu em julho de 2018, com 84 anos de idade.

Na introdução ao presente volume, “História, cultura e tradições das Alcanadas” (edição da Câmara Municipal da Batalha, 2005), José Baptista de Matos escreve: “As minas de carvão das Barrogeiras e a vida dura da década de 40 deram-me a formação mental. O meu mundo foi feito assim. Não tenho formação académica, mas escrever, ler e refletir, e todos os outros, faziam parte da minha vida. Nasceu aí o desejo de escrever algo sobre as Alcanadas”.

Através deste conjunto de escritos que o autor foi reunindo, percorremos um riquíssimo leque de informações relativas às vivências, usos, costumes e tradições da população das Alcanadas, aldeia situada ao pé da Serra d’Aire.

Assim, os principais aspetos evocados neste livro são: a emigração dos alcanadenses para a França, a aldeia das Piedosas (“um lugar antiquíssimo”), a capela de São Mateus (fundada em 1567), o Casal da Torre (um dos quatro castros que deu origem às Alcanadas), a Moita da Palha (túmulos megalíticos), a ponte do Coito, os moinhos de vento de Pião e de Cabeço do Moinho, os fornos de cal, a Fonte Alcanada, as lendas e estórias, os costumes das mulheres, o jogo do pau, o ciclo do milho, o ciclo da lã, o albardeiro (que construía albardas, antes de 1950) e um extenso capítulo sobre as minas de carvão das Barrogeiras, com os novos trabalhadores, os novos tipos de relações sociais e as greves. “Estas minas, afirma José Baptista de Matos, empregavam mais de metade dos habitantes de Alcanadas. O seu fim fez com que uma grave crise económica obrigasse, num primeiro tempo, a uma migração temporária para as ceifas ou a construção de estradas, e depois seguiu-se um período de intensa emigração para a França”.

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 4 Votos
9.8
X