Uma BD e uma exposição – “À la recherche du Tintin perdu”: uma fantasia autobiográfica

Cultura

 

“À la recherche du Tintin perdu”, da autoria do desenhador brasileiro Ricardo Leite (1957) e publicado pela Éditions Sepia, é uma dupla homenagem: o título é uma referência explicita a Marcel Proust e o imaginário é todo ele em glória de Hergé.

Embora o álbum tenha saído em França apenas na semana passada, ele já deu origem a uma exposição de pranchas originais na Galerie Art-Maniak, em Paris.

Uma obra que nasce de um encontro falhado. Quando o autor tinha apenas 14 anos partiu numa viagem à Europa com o seu pai. O grande objetivo do jovem Ricardo Leite, nesses idos da década de 1970, era conhecer pessoalmente Hergé, o seu herói. O mecanismo entrou então em movimento. Ricardo escreveu uma carta ao mestre belga, anexou alguns desenhos da sua autoria e Hergé respondeu-lhe dizendo-lhe que, nesse setembro de 1971, estaria de férias em Itália, mas desejando-lhe sorte para o futuro.

A deceção do adolescente, materializada nessa carta, resultante desse encontro falhado foi então o primeiro passo para esta obra que se encontra agora nas livrarias francesas – que, por pressão dos advogados dos descendentes de Hergé (desaparecido em 1983), sofreu algumas alterações.

Ricardo Leite nunca encontraria Hergé.

Passados alguns anos, no início dos anos 1980, Ricardo, já adulto e desejando viver da sétima arte, regressa a França onde passou oito meses, tentando encontrar trabalho numa das grandes editoras de banda desenhada parisienses. Após vários encontros simpáticos, embora inconsequentes, ele regressa ao Brasil. Passar-se-ão 40 anos até à publicação deste “À la recherche du Tintin perdu”.

Entretanto, o encontro falhado de 1971 será compensado em 2013, com uma visita do autor brasileiro a Bruxelas e ao Musée Hergé. Essa viagem – e a vivência de um drama familiar que lhe demonstrou como a vida é curta – foi uma epifania para Ricardo Leite, que decidiu então recuperar o seu antigo sonho de ser desenhador de banda desenhada. “À la recherche du Tintin perdu” é então o fruto desse tão salutar retomar de um sonho de infância.

Estamos então perante uma homenagem não só a Proust ou a Hergé, mas acima de tudo ao mundo da banda desenhada. Ricardo Leite viaja, e o leitor com ele, através dos mundos simbólicos e culturais que lhe marcaram a vida, nomeadamente essa relação real e onírica com o imaginário de Hergé.

 

Donativos LusoJornal