Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.
Religião

 

No próximo domingo, a Igreja convida-nos a celebrar a Festa da Sagrada Família e o Evangelho descreve o grande susto que Maria e José viveram quando Jesus, com apenas doze anos, desapareceu durante três dias. A chave de leitura deste episódio é a resposta que Ele dá quando finalmente o encontram no templo de Jerusalém: «Porque Me procuráveis? Não sabíeis que Eu devia estar na casa de meu Pai?».

Maria e José não fizeram uma cena diante desta resposta. Eles, que viram o Messias gatinhar e dar os seus primeiros passinhos incertos… Eles, que acudiram os choros de noite e se alegraram ao escutar as primeiras palavras do menino… Maria e José são agora confrontados com a verdade que nunca esqueceram: Jesus é o Filho de Deus, o Verbo incarnado, o Messias anunciado. E o Verbo fez-se carne para anunciar ao mundo a Boa Nova e revelar-nos o rosto misericordioso de Deus Pai! Muitos anos mais tarde, diante de Pilatos, Jesus Cristo reafirma esta mesma leitura da sua identidade e da sua missão: «Para isso nasci, e para isso vim ao mundo: para dar testemunho da Verdade. Todo aquele que é da Verdade ouve a minha voz» (Jo 18,37).

Para além de sublinhar a posição preponderante que o projeto de Deus deve ocupar nas nossas vidas, este episódio ajuda-nos a compreender uma outra realidade importante: que a família (qualquer família) não pode ser um lugar fechado, onde se cresce prisioneiros de horizontes limitados e de relações de doentia dependência. A família é o lugar onde nos abrimos ao mundo e aos outros! É onde cultivamos a liberdade e a maturidade necessárias para um dia deixarmos o “ninho” e procurarmos a nossa estrada e a nossa missão.

 

Donativos LusoJornal
X