Detido no Luxemburgo o homem acusado de matar e desmembrar cidadã portuguesa em França

Comunidade

 

Um homem de 48 anos foi detido quinta-feira no Luxemburgo em ligação ao caso da descoberta do corpo desmembrado de uma cidadã portuguesa, em 19 de setembro, em Mont-Saint-Martin, perto de Longwy, na Meurthe-et-Moselle, anunciou fonte judicial luxemburguesa.

Segundo a Procuradoria-geral de Diekirch (Luxemburgo), a justiça luxemburguesa foi encarregada do caso na passada terça-feira após a difusão de tatuagens no corpo que permitiram identificar a vítima: uma mulher de 40 anos, de origem portuguesa e residente em Diekirch.

“A identificação foi confirmada por análise de DNA”, disseram as autoridades luxemburguesas.

O suspeito já prestou declarações a um juiz de instrução e ficou detido preventivamente, no Centro Penitenciário de Schrassig, tendo sido acusado de assassínio. “A investigação judicial de Luxemburgo continua e várias verificações estão em andamento”, acrescentou a Procuradoria de Diekirch.

O tronco da vítima foi descoberto por um transeunte em meados de setembro “perto de um prédio desabitado” em Mont-Saint-Martin, cidade localizada na fronteira com a Bélgica e Luxemburgo.

Os resultados da autópsia do corpo da mulher não revelaram quaisquer vestígios de ferimentos de bala ou facadas ou violência sexual.

Provavelmente foi morta “nas 24 horas que antecederam a descoberta do corpo, obviamente “desmembrado em outro local”, revelou o procurador François Pérain.

Uma marcha branca em homenagem à vítima, cuja identidade foi revelada como sendo Diana Santos segundo a imprensa luxemburguesa, deverá realizar-se em 22 de outubro na localidade fronteiriça de Athus, na Bélgica.

 

Donativos LusoJornal