Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Pelo segundo ano consecutivo, o empresário Gilberto Francisco, radicado na região de Paris, vestiu-se de Pai Natal para levar o Natal a três hospitais em Portugal.

A iniciativa criada há 36 anos em França, no Hospital Sainte Camille em Bry-sur-Marne, e que já se realizou em Portugal pelo segundo ano consecutivo, visa dar alegria às crianças, e também aos idosos, de três hospitais em Portugal, oferecendo prendas.

A 25 de dezembro, Gilberto Francisco vestiu-se de Pai Natal e começou o seu périplo: “Às 8h30 estávamos em Coimbra, num hospital pediátrico, depois, pelo meio-dia estivemos em Pombal, num hospital onde há apenas idosos, e terminámos com uma visita ao Hospital de Leiria”, descreveu o Pai Natal por 24h, ele que também teve dois pedidos especiais: “A 25 de dezembro também fui à noite oferecer uma prenda a um homem de 40 anos que está numa cadeira de rodas, tem assistência respiratória e está sozinho em São Simão. E na véspera, a 24, também fomos oferecer prendas a uma criança de 4 anos que sofre de esquizofrenia e que tem o corpo de uma criança de 18 meses. Para ela, que mora perto de Leiria, encomendámos uma cadeira especial que será entregue dentro de alguns meses”, assegurou Gilberto Francisco.

Esta “Operação Natal” 2018 conseguiu oferecer mais de 1.000 prendas para as crianças, os idosos e não só, visto que os próprios trabalhadores dos hospitais tinham direito a rebuçados e tangerinas: “Não podíamos deixar pessoas sem prendas. As crianças que escreveram ao Pai Natal, através as caixas de correio que deixamos ‘Correio para o Pai Natal – Pólo Norte’, tiveram as prendas que pretendiam, enquanto as pessoas que os acompanhavam tinham direito a outro tipo de prendas. Tivemos a ajuda do pessoal hospitalar para saber em antemão o que as crianças queriam”, salientou o Pai Natal.

No entanto houve pedidos algo extravagantes ou que não foram realizados: “Houve um pedido que não podíamos realizar. Uma criança pediu a paz no mundo, que não haja mais guerras, que não haja mais carestia, e que os seus pais não sofram mais. Isso não era possível claro. Ela não pediu nada para ela. E depois tivemos pedidos de crianças que queriam três prendas e prendas que tinham um certo valor, mas conseguimos oferecer-lhe uma prenda. As crianças sabem o que querem e têm desejos muito diferentes”, sublinhou Gilberto Francisco.

O Pai Natal por 24h também nos falou dos seus sentimentos próprios em relação a esta iniciativa: “Sinto-me tão bem durante esta iniciativa porque até acho que recebemos mais do que damos. É necessário saber que em certos hospitais nem nos podemos aproximar das crianças porque depende da doença que têm. Temos de ser fortes. Tivemos pessoas a quem as lágrimas subiam rapidamente e nem conseguiam entrar em certos quartos por causa dos tubos que crianças tinham por todo o lado. Eu sou o Pai Natal na iniciativa, e após tantos anos, sabemos como reagir, se não é impossível. No ano passado, num dos hospitais, comecei por uma criança de 11 anos que estava queimada a 85% após os incêndios de Pedrógão. Mas tudo correu bem porque eu estou no meu papel de Pai Natal e tento trazer alegria às crianças, tento brincar com elas, e há uma certa cumplicidade que se instala porque sou o Pai Natal, nada mais. A mim também me trouxe muito esta iniciativa, sinto-me feliz”, admitiu o criador do evento.

Para o ano, Gilberto Francisco, com a ajuda da Associação ‘Les Amis du Plateau’ que conta com o irmão Valdemar Francisco, quer atingir ainda mais hospitais em Portugal: “É possível chegar a todos os hospitais pediátricos de Portugal. Tenho 57 anos, espero que isso seja realizado para os meus 67 anos. Mas vamos passo a passo, já seria importante ter mais três ou quatro hospitais para o ano, e espero que cada vez mais pessoas se juntem a nós para esta iniciativa”, concluiu o Pai Natal Gilberto Francisco, que contou com a ajuda de mais de 30 pessoas na operação, bem como de patrocinadores, além da Associação ‘Les Amis du Plateau’, o Intermarché de Pombal, o restaurante ‘O Manjar do Marquês’ de Pombal, a ‘ACI Imobiliária’ em Leiria, a Academia do Bacalhau, a Decormar uma sociedade transformadora de mármores e granitos, o Groupe Saint Germain que é um promotor em França mas cujo membro fundador mora em Portugal.

Neste sábado haverá mais uma iniciativa com 300 refeições oferecidas a crianças desfavorecidas que também vão ter direito a uma prenda. Um evento que se vai realizar em Pontault Combault no restaurante ‘Il Ristorante’.

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 22 Votos
7.5
X